Publicado em 20/11/2020 às 19h40.

Dólar tem maior alta desde outubro; Economia sugere vender reservas

Alternativa citada por ministro, foi reforçada nesta sexta por Waldery Rodrigues; secretário frisa que decisão final é do Banco Central

Redação
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Declarações de Waldery e Guedes agitaram os mercados Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

O dólar acelerou na sessão desta sexta-feira (20), com valorização de 1,39%. A alta foi a maior desde 28 de outubro. Durante o dia, investidores aproveitaram para realizar lucros após baixas ao longo da semana. A divisa fechou a semana cota a R$ 5,387.

Operadores afirmaram à Reuters Brasil que a fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, feita na véspera, foi o catalisador da realização de lucros no câmbio. Em evento, Guedes disse que uma forma de reduzir a dívida pública é por meio de venda de ativos, privatizações, desalavancagem de bancos públicos e até venda de reservas internacionais.

Uma leitura das palavras do ministro é que corte de gastos -a principal demanda do mercado- estaria para baixo na lista de prioridades.

Sobre venda de reservas, o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, admitiu nesta sexta-feira que essa ação entra no cardápio do governo para redução da dívida bruta. Perguntado sobre a fala de Paulo Guedes, Waldery defendeu que a fala do ministro “entrou num contexto de uma gestão macroeconômica mais integrada”. O secretário frisou que a última palavra sobre as reservas é do Banco Central.

 

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.