Publicado em 22/11/2019 às 14h54.

Em novembro, prévia da inflação fica em 0,01% em Salvador e região metropolitana

Dos nove grupos de produtos e serviços que formam o IPCA-15, seis tiveram altas em novembro

Redação
Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas
Foto: Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas

 

 

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que funciona como uma prévia da inflação oficial do mês, ficou em 0,01% na Região Metropolitana de Salvador (RMS) em novembro. Em relação a outubro (0,20%), ele desacelerou, mas ficou acima do registrado em novembro de 2018 (-0,15%).

Além de ter ficado abaixo da média nacional (0,14%), o IPCA-15 de novembro na RMS (0,01%) foi a menor alta na prévia de inflação dentre as 11 áreas investigadas. Abaixo de Salvador, ficaram as regiões metropolitanas de Belo Horizonte/MG (0,00%) e de Recife/PE (-0,04%) e Brasília/DF (-0,23%).

Com o resultado do mês, o IPCA-15 da RMS acumula alta de 2,79% no ano de 2019, praticamente mantendo a variação de outubro (2,78%) e voltando a ficar abaixo da média nacional (2,83%). Nos 12 meses encerrados em novembro, o indicador teve leve aceleração para 2,63% (frente a 2,59% em outubro) e continuou um pouco abaixo do verificado no país como um todo (2,67%).

Gastos com Habitação (0,37%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,41%) se mantêm como principais pressões de alta no IPCA-15 de novembro, na RMS

Dos nove grupos de produtos e serviços que formam o IPCA-15, seis tiveram altas em novembro, na Região Metropolitana de Salvador.

O maior aumento ficou com vestuário (0,45%), seguido por saúde e cuidados pessoais (0,41%), despesas pessoais (0,41%) e habitação (0,37%). Entretanto, pelo peso que têm nas despesas familiares, as principais pressões inflacionárias vieram dos gastos com habitação e saúde.

Entre os aumentos dos custos de moradia, o destaque individual ficou novamente com a energia elétrica (0,58%). Também houve contribuição importante da alta nas taxas de condomínio (0,57%). Já entre as despesas com saúde e cuidados pessoais, os itens que mais pesaram foram os perfumes (2,00%) e os planos de saúde (0,60%).

Em queda pelo quarto mês consecutivo, alimentação e bebidas (-0,45%) foi o grupo que mais contribuiu para segurar a prévia da inflação de novembro na RM Salvador. A principal influência nesse sentido veio, mais uma vez, da alimentação no próprio domicílio (-0,77%), com quedas médias nos preços de itens como a cebola (-26,97%), a batata-inglesa (-18,34%), o tomate (-11,73%) e o biscoito (-3,13%).

PUBLICIDADE