Publicado em 04/06/2016 às 17h00.

Governo admite flexibilizar gastos públicos

Presidente Michel Temer orienta preservar recursos das áreas de Saúde e Educação, cujos limites foram criticados

Redação
No anúncio do pacote, o governo reforçou que as áreas de Saúde e Educação seguiriam o teto que deve ser estipulado (Foto: Beto Barata/PR)
No anúncio do pacote, o governo reforçou que as áreas de Saúde e Educação seguiriam o teto que deve ser estipulado (Foto: Beto Barata/PR)

 

A equipe econômica do presidente em exercício Michel Temer  já admite “flexibilizar” a medida que estabelece o teto dos gastos públicos, considerada o principal ponto do pacote fiscal.

O ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, adiantou que a orientação do presidente Michel Temer é preservar os recursos da Saúde e da Educação. No anúncio do pacote, o ministro Henrique Meirelles reforçou que as duas áreas seguiriam o teto que deve ser estipulado. “O presidente Temer nos dá orientação e cumprimos”, resumiu o ministro.

O limite para as despesas de Saúde e Educação foi bastante criticado. No mesmo dia do anúncio, o governo explicou que o orçamento das duas áreas até poderia ter aumento real, com o teto em vigor, desde que outras despesas crescessem menos. “Há uma série de outras despesas que podem ser objeto de contenção, de tal modo que o limite seja atendido”, afirmou o ministro. (Com informações da Veja)

PUBLICIDADE