Publicado em 20/10/2021 às 11h36.

Saldo do FGTS poderá ser usado na compra de ações da Eletrobrás

PPI decidiu também conceder prioridade a empregados ou aposentados da estatal em 10% dos papeis a serem ofertados

Redação
Foto: assessoria/Eletrobras
Foto: assessoria/Eletrobras

 

 

Pessoas físicas interessadas em participar da oferta de ações da Eletrobrás poderão usar recursos do FGTS na privatização da companhia. Haverá um limite de R$ 6 bilhões na utilização destes recursos. A modelagem da privatização foi definida na terça-feira (19) pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Cada investidor individual poderá gastar a partir de R$ 200 do saldo da conta do FGTS para adquirir papeis da estatal de energia.

O PPI decidiu também que empregados e aposentados da Eletrobras e de suas subsidiarias terão prioridade para adquirirem até 10% do total das ações ofertadas. Pessoas físicas residentes no Brasil poderão comprar indiretamente ações da Eletrobras por meio de cotas de fundos mútuos de privatização (FMP), que podem ser adquiridas usando até 50% do saldo da conta no FGTS.

A modelagem foi oficializada pela resolução 203/2021 do CPPI, que teve como base estudos contratados pelo BNDES. A norma também reestrutura o quadro societário, separando desta companhia a Itaipu Binacional e a Eletronuclear. Estes dois ativos permaneceram sob controle acionário da União, em outra estatal.

A privatização ocorrerá em duas etapas. Primeiramente, a Eletrobras emitirá novas ações que podem ser compradas no mercado primário, até diluir a participação da União na empresa. Se a participação direta e indireta da União não cair para menos de 45%, o governo federal venderá papéis da companhia no mercado secundário, quando ações já lançadas no mercado trocam de donos. Fonte: CNN Brasil



Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.