Publicado em 14/05/2021 às 09h58.

Setor de revenda de combustíveis já demitiu mais de 5 mil trabalhadores na Bahia, diz sindicato

Desligamentos ocorreram ao longo de 2020, em meio à crise provocada pela pandemia de Covid-19

Redação
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

 

Ao longo de 2020, em meio à crise provocada pela pandemia de Covid-19, ao menos 5.076 frentistas desligados de suas funções na Bahia, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Para o Sindicombustíveis, que representa os revendedores de combustíveis no estado, o cenário tem causado grande preocupação aos empresários do setor.

“A pandemia do novo coronavírus, que estabeleceu o isolamento social, a redução de veículos nas ruas e, consequentemente, a queda do consumo de combustíveis de 50% a 70% em Salvador, além do agravamento da crise econômica, contribuíram para essas demissões”, explica Walter Tannus, presidente do sindicato. “A recomendação do sindicato era manter os empregos, mas o resultado foi milhares de desempregados, mesmo com o programa federal que permitiu reduções salariais e suspensão temporária de contratos”, lamenta.

De acordo com a PNADC (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral), feita pelo IBGE e divulgada em março deste ano, a Bahia atingiu o recorde de 1,272 milhão de pessoas desocupadas em 2020, correspondente a uma taxa de desemprego de 19,8%, o maior índice do país e já registrado no estado. EM todo o país, o contingente de desempregados atinge 14,4 pessoas.

“A situação de empresários, de um modo geral, e das pessoas sem emprego é muito preocupante. Esperamos que, com a flexibilização das medidas de restrições pelo estado e pelos municípios, que entram na fase amarela parcial, com a reabertura das lojas de conveniência, possamos voltar a acreditar na retomada da economia e do trabalho”, diz Walter Tannus.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.