Publicado em 04/02/2021 às 07h19.

Anderson, vocalista do grupo Molejo, é acusado de estupro por rapaz de 21 anos

O cantor e dançarino Maycon Douglas disse à polícia que crime ocorreu em dezembro do ano passado, no Rio de Janeiro

Redação
Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

 

Vocalista do grupo Molejo, Anderson Leonardo está sendo acusado de estupro pelo cantor e dançarino MC Maylon, de 21 anos. A denúncia foi feita à 33ª Delegacia de Polícia (Realengo). O crime, segundo a vítima, teria ocorrido em dezembro do ano passado.

De acordo com informações do portal G1, Maylon contou que sofreu a violência em um hotel em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. “Era um cara que eu chamava de pai, de padrinho”, disse ele, que era fã declarado de Anderson, tendo inclusive tatuado o rosto do vocalista em seu antebraço.

O jovem afirmou que foi levado ao hotel contra sua vontade, após ter marcado uma reunião com o ídolo. No carro, a caminho da reunião, Anderson teria mudado o destino, levando o fã para o hotel, onde teria ocorrido a agressão.

“Quando entramos, ele começou a me agredir. Me deu tapa na cara. Durou uma hora e não sei quantos minutos. Eu nunca ia esperar isso dele. Quando ele penetrou em mim, senti muita dor”, declarou MC Maylon.

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

 

Em nota, a assessoria de comunicação de Anderson negou as acusações. Veja abaixo, na íntegra.

O Cantor [Anderson Leonardo] foi surpreendido, assim como todos, com o que foi veiculado na imprensa na data de hoje, não tendo qualquer conhecimento acerca do publicado em redes sociais ou mesmo em sede policial, vez que não foi intimado para prestar quaisquer informações, pelo que, não teve nem mesmo ciência do que consta do registro de ocorrência.

Esclarece ainda que lamenta profundamente as declarações envolvendo seu nome, refutando qualquer ato de violência contra quem quer que seja, negando categoricamente à acusação completamente falsa de agressão sexual feita em seu desfavor. Ressalta, outrossim, que em mais de 30 anos de vida pública, jamais tivera seu nome ligado a qualquer ato criminoso ou que viesse a desabonar ou macular a sua imagem e carreira, seja de sua vida profissional ou pessoal.

Informa também que conhece a suposta vítima, mas jamais praticou os atos veiculados na imprensa, inclusive, tem conhecimento que a suposta vítima já esteve presente em diversas apresentações artísticas do Cantor, em ocasiões posteriores à falaciosa alegação, o que demonstra, claramente, que a narrativa publicada nunca ocorreu. Assim, o cantor esclarece, por meio de sua assessoria, que os fatos publicados não são verdadeiros, repudiando veementemente os profissionais que praticam o jornalismo inverídico, sensacionalista e desarrazoado.”

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.