Publicado em 23/07/2018 às 14h03.

Daniela Mercury protesta contra proibição de peça com Jesus trans

'O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu' protagonizado pela atriz trans Renata Carvalho foi proibido pelo prefeito Isaías Regis

Bianca Andrade
Foto: Inacio Teixeira/ Secom
Foto: Inacio Teixeira/ Secom

 

Daniela Mercury usou seu tempo de palco durante um show realizado no último domingo (22) no Festival de Inverno de Garanhuns, em Pernambuco, para protestar.

A artista se posicionou contra a proibição do prefeito Isaías Regis na exibição do espetáculo teatral ‘O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu’, protagonizado pela atriz transexual Renata Carvalho, no Centro Cultural de Garanhuns.

“Se nós tivéssemos protestos de algumas pessoas que são da religião que não compreendem a arte que não entendem que a arte não tem dogma, que a arte é crítica social, que a arte é a reflexão sobre nos que a arte é essencialmente livre, é singular. […] Então não me venha agora com ignorância querer conceituar o que é arte e o que não é arte é ignorância absurda, o ministro Carlos Ares Brito disse que a gente esta na Idade da Mídia, mas parece que esta na Idade Média. Então censurar uma peça de teatro por questões religiosas é um absurdo e isso não pode ser permitido, a nossa constituição não deixa isso. A nossa constituição não é a bíblia”, desabafou a artista.

Daniela ainda entrou em contato com Renata Carvalho, protagonista do espetáculo, e revelou que a atriz esta bastante magoada com a censura da peça. “Falei com a Renata Carvalho no telefone e ela está muito magoada, como é que alguém tem a capacidade de oprimir uma pessoa, uma travesti, que a tantos anos eles sofrem, são massacrados, sofrem violência nesse país, da maneira como sofrem. Ela falou comigo com a voz embargada, eu senti vergonha, como os políticos fazem isso com as pessoas desse lugar, porque antes de qualquer coisa isso é desumanidade, maldade, ruindade. Desculpe meu amor pelas pessoas, eu não aceito ninguém maltratando ninguém”, contou.

Antes de finalizar o discurso a baiana ainda afirmou que Jesus poderia sim ser trans, assim como poderia ser gay ou lésbica. “Antes de qualquer coisa maltrato não é opressão, não tem nomezinho bonitinho para quem está fazendo defesa de politicamente correto porra nenhuma, é maldade. Ela é Jesus Cristo sim! Jesus Cristo eu estou aqui, eu sou gay eu sou lésbica, e dai?”, disse Daniela que no fim tocou Tempo Perdido como protesto pela situação.

A peça ‘O Evangelho segundo Jesus, Rainha do Céu’ também sofreu censura na capital baiana. Uma liminar da 12ª Vara Civil de Salvador, concedida pelo juiz Paulo Albiani Alves, tentou impedir que a Fundação Gregório de Mattos (FGM), administradora do Espaço Cultural da Barroquinha, fosse exibida.

Mesmo com a liminar, o público pôde conferir o espetáculo em outro endereço, no Teatro do Goethe-Institut (ICBA), no Corredor da Vitória.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.