Publicado em 06/12/2021 às 09h00.

Documentário sobre os Palhaços do Rio Vermelho é lançado em festival internacional

Filme estreia no XVII Panorama Internacional Coisa de Cinema e conta a história da mais singular manifestação pré-carnavalesca da capital baiana

Redação
Foto de Erick Salles/Assessoria
Foto de Erick Salles/Assessoria

 

O início foi em 1986, na Rua Ilhéus, no famoso bairro do Rio Vermelho, nasceu uma moderna tradição pré-carnavalesca: Palhaços do Rio Vermelho. O artista plástico Ruy Santana percebeu que a rua não estava mais interessante para brincar o Carnaval e a fantasia já tinha sido substituída por mortalhas e abadás, daí surgiu um movimento cultural crescente e agregador, que evoca o mais simbólico e querido personagem circense para resgatar o lado poético da festa.

O documentário “Palhaços do Rio Vermelho – o curta” mergulha na história desse movimento e acompanha seu divertido e colorido desfile, onde a resistência e espontaneidade de participação popular, dão o tom maior. O filme levará às telas não só a festa, como tudo que acontece para a realização dela, destacando o encanto, a alegria e as emoções que centenas de palhaços provocam nos frequentadores do festejo.

Um resgate da memória afetiva, do que esses símbolos icônicos dos circos representam em nossas vidas e, principalmente, no cotidiano de amadores e profissionais que muitas vezes tiram o seu sustento da reverência a esses seres míticos – cuja gênese reporta aos bufões medievais. É uma celebração que já faz parte do calendário turístico soteropolitano e a oportunidade de confraternização de profissionais de circo, teatro, burlescos, e principalmente os foliões que incorporam sazonalmente a fantasia como forma de expressão libertária.

“É uma honra, para mim, poder resgatar a figura dos palhaços numa obra de audiovisual. Mais do que personagens icônicos, que representam alegria e diversão, os palhaços e os criadores que estão por trás deles, despertam em todos nós a ludicidade e a memória afetiva da criança que fomos um dia. É esse sentimento que desejo transpor para as telas e despertar a criança que habita em cada espectador.” disse Gorette Randam, produtora da RG.

A iniciativa é uma idealização da RG Produção Cinematográfica e foi viabilizada por meio do Edital Setorial de Audiovisual 2019, com apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura da Bahia.

O roteiro é de autoria de José Araripe Jr, a Direção é de Lilih Curi, a Direção de Fotografia é de Paulo Alcântara, a Montagem e Som Direto são de Fredshon Araújo, a Produção Executiva é de Gorette Randam, a Direção de Produção é de Alessandra Pastore e as imagens áreas são de Márcio Santos.

Exibição – A partir de dezembro, o documentário entra na grade de programação do Canal Brasil, com estreia na Mostra Competitiva Baiana, do XVII Panorama Internacional Coisa de Cinema, as exibições acontecem nos dias 07 e 08 de dezembro.

No dia 07, terça-feira, às 18h, na sala 02, com debate após sessão e no dia 08, quarta-feira, às 13h40, na sala 01, no Cine Metha – Glauber Rocha. No dia 07 o filme ficará disponível 24h na plataforma do Festival: www.panorama.coisadecinema.com.br.

No dia 10 de dezembro, sexta-feira, Dia Internacional do Palhaço, o filme será exibido na TVE, às 20h.



Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.