Publicado em 02/04/2019 às 09h31.

‘Gostaria de dar veneno a ele’, diz bispo sobre Caetano em missa pela ditadura

"Tem um imbecil que nos anos 70 cantou que é proibido proibir. Gostaria de dar veneno de rato para ele"

Redação
Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

 

No último dia 31 (domingo), dia que marcou os 55 anos da ditadura militar no Brasil, uma missa foi realizada em Brasília em celebração ao golpe de 1964, segundo informações da coluna Radar, da Veja. Com a presença de generais e da viúva do coronel Brilhante Ustra, sobrou sermão até para Caetano Veloso.

“Tem um imbecil que nos anos 70 cantou que é proibido proibir. Gostaria de dar veneno de rato para ele”, disse o bispo Dom José Francisco Galvão, que ministrou a missa na Paróquia Militar de São Miguel Arcanjo, em Brasília.

Compareceram à paróquia ainda os generais Paulo Chagas (que concorreu ao governo do Distrito Federal), Rocha Paiva (que foi amigo de Ustra e da Comissão de Anistia) e o deputado federal do PSL general Eliéser Grão.

Em nota publicada no Facebook, o religioso negou que a missa tenha sido uma celebração ao Golpe de 64. “Foi em ação de graças unicamente pelas promoções dos oficiais generais do Exército Brasileiro. Tais promoções ocorrem na referida data desde a década de sessenta do século passado”, diz o texto.

O Bispo defende que em momento nenhum citou o nome de qualquer artista, nem usou os termos “ditadura” ou “golpe”.

Em nenhum momento do transcurso da Missa falou-se de “ditadura” ou de “golpe” ou se agradeceu a Deus por outro motivo senão pelos novos promovidos […] Em nenhum momento do transcurso da Missa fez-se alusão ao nome de qualquer cantor ou compositor”.

Esposa e empresária de Caetano, Paula Lavigne compartilhou a notícia da Veja e lamentou a frase supostamente dita pelo Bispo, apelou para a falecida sogra Dona Canô e defendeu o marido:

“Ainda bem q Dona Canô não está viva pra ver isso! Q vergonha pra igreja católica, um Padre querer matar uma pessoa? O q está acontecendo? Coitado de ainda ter q passar por isso depois de tudo q viveu na ditadura militar?”

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.