Publicado em 13/12/2019 às 16h46.

Justiça manda D2 apagar tuítes que ligam Doria a mortes em Paraisópolis

Cantor chegou a chamar o governador de São Paulo de assassino em uma de suas publicações no Twitter

Redação
Foto: Arquivo Pessoal/Instagram
Foto: Arquivo Pessoal/Instagram

 

A Justiça de São Paulo mandou o cantor Marcelo D2 apagar três publicações que fez em seu perfil oficial no Twitter, criticando o governador João Doria (PSDB). Nas mensagens, o artista associou as mortes na favela de Paraisópolis ao gestor do estado.

A decisão foi do desembargador Luiz Antônio de Godoy, da 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo. Em sua análise, há “possível abuso do direito de liberdade de expressão por parte do requerido, bem como perigo de dano, tendo em vista a repercussão gerada por suas publicações”.

Em uma das postagens, D2 afirma que Doria foi o mandante das mortes de nove jovens, ocorridas durante ação da Polícia Militar, no dia 1º de dezembro. Em outro tuíte, o cantor responde a uma declaração de Doria que lamentava o episódio. “Lamenta nada, assassino”, disse D2.

Uma terceira postagem afirma “o Doria não gostou que chamei ele de assassino e tentou, na justiça, tirar meu post do ar. Então aqui vai uma homenagem a mais um brasileiro do ano Parabéns aos envolvidos!”. Em seguida, há uma charge de Doria com as mãos sujas de sangue.

Caso não retire as publicações, o cantor está sujeito a multa diária de R$ 500. Com informações da Folha de S.Paulo.