Publicado em 14/12/2019 às 13h00.

Justiça tenta há 2 anos citar José de Abreu em processo movido por Bia Doria

Na ação, a mulher do governador João Doria argumenta que o ator ofendeu “sua honra e reputação ao compará-la a um animal”

Redação
Foto: Reprodução/TV Globo
Foto: Reprodução/TV Globo

 

Em dois anos, a Justiça ainda não conseguiu citar o ator José de Abreu em processo movido contra ele pela primeira-dama do estado de São Paulo, Bia Doria, de acordo com a Folha.

A mulher do governador João Doria pede indenização de R$ 100 mil, por danos morais. Na ação, Bia argumenta que o ator ofendeu “sua honra e reputação ao compará-la a um animal”.

Em outubro de 2016, um ano antes dela entrar com o processo, Zé de Abreu escreveu no Twitter: “STF proíbe vaquejada mas permite que a Bia Doria dê entrevista? é um crime contra os animais…”.

“Para um cidadão médio, ao ler o termo vaquejada, no seu sentido literal, inconscientemente e imediatamente é remetido ao termo ‘vaca’”, diz a defesa da primeira-dama.

Como o ator mora no Rio de Janeiro e o processo corre em São Paulo, a praxe é o tribunal do estado de origem expedir uma carta precatória para a outra jurisdição localizar a parte.

Em julho de 2018, a Justiça autorizou buscas sobre os endereços de Zé de Abreu em dois sistemas: um que rastreia dados da Receita Federal e outro que faz cruzamento com registros do Departamento Nacional de Trânsito.

Procurado por oficiais de Justiça nos locais relacionados a seu nome, o ator não foi localizado. Em outra tentativa, foram encaminhadas correspondências a quatro operadoras telefônicas com a solicitação do compartilhamento de endereços ligados a Abreu, mas também não houve sucesso.

Até mesmo a Globo, onde ele trabalha, foi acionada para informar o endereço de seu funcionário. A empresa atendeu à solicitação, mas no local apontado a resposta foi: “Mudou-se”.