Publicado em 19/09/2019 às 12h45.

‘Queremos fazer algo mais nacional’, diz Bruno Magnata sobre novo DVD da La Fúria

A banda grava o terceiro DVD da carreira durante a festa Bailão Salvador, na Arena Fonte Nova

Bianca Andrade
Foto: Instagram/ Arquivo Pessoal
Foto: Instagram/ Arquivo Pessoal

 

Gravar um DVD pode não ser novidade para a banda La Fúria, que no dia 25 de outubro sobe ao palco do Bailão Salvador, na Arena Fonte Nova, para a gravação o 3º registro audiovisual da carreira, mas Bruno Magnata garante que a ansiedade continua a mesma e que o projeto será ainda mais especial.

Com oito anos de estrada, a La Fúria deve fazer um passeio pela história da banda, que de 2011 para cá conquistou um público fiel e se solidificou no gênero pagodão. “É o nosso terceiro DVD, mas vai ser um pouco mais especial, porque vai mostrar o nosso crescimento. Da criação da La Fúria para hoje nós mudamos bastante, musicalmente falando e conquistamos outros espaços, não só no Nordeste, mas ao redor do Brasil”, conta o artista.

E a ideia do projeto é expandir o ritmo, que atualmente representa o cenário musical baiano, levando o Pagodão para outros cantos do Brasil. “O pagodão é o ritmo que representa Salvador atualmente, então queremos fazer algo para levar isso para o resto do país. Esse novo projeto nós estamos preparando para dar mais um salto na carreira. Então vai ser totalmente diferente do que a gente já vem fazendo, queremos fazer algo mais nacional e pegar todos os públicos, um DVD mais limpo”.

No repertório, que será composto por 25 músicas, os fãs da banda podem esperar os principais sucessos do grupo além de canções inéditas. “Vamos trazer canções desde o início da La Fúria até as novas canções, a galera pode esperar que vai ser top para caramba”, revela animado o artista.

A banda dos memes
Em recente entrevista ao bahia.ba, Magnata abriu o jogo sobre a relação da banda com os memes que viralizam na internet, que acabou se tornando a mina de ouro da La Fúria no quesito música.

Praticamente todos os últimos hits lançados pelo grupo baiano tem relação com alguma situação que estourou na internet, desde as mais leves como ‘Teile e Zaga’ e ‘Senta no Shallow Now’, as mais pesadas que são inspiradas em polêmicas como ‘Fábio Assunção’ e ‘Oi Fake’, que faz referência as mensagens trocadas por Neymar, acusado de estupro em junho deste ano.

“Nossa relação com a internet é uma coisa que eu sempre quis, a gente estudou isso. Tudo que acontecer na internet a gente quer transformar em música e o interessante é que o público se identificou com isso. Então às vezes a gente nem sabe o que esta acontecendo nas redes sociais, por causa da correria dos shows, e as pessoas começam a marcar a banda e me marcar. Eles mesmo pedem, ‘faz uma música com isso’, faz uma com aquilo’. Todos os dias a gente recebe os pedidos”.

PUBLICIDADE