Publicado em 13/07/2020 às 13h01.

Bellintani conversa com torcedores no Twitter e responde perguntas sobre a MP do futebol

O presidente do Bahia acredita que será possível conciliar as transmissões de futebol na internet e tv aberta e fechada

Raphael Minho
Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia
Foto: Felipe Oliveira/EC Bahia

 

O presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, utilizou as redes sociais para conversar com os torcedores do tricolor, no último domingo (12). O principal assunto das perguntas se referiam a “MP do futebol”, como ficou conhecida a Medida Provisória assinada pelo presidente Jair Bolsonaro sobre os diretos de transmissão dos jogos de futebol.

Em um dos principais questionamentos era sobre a viabilidade financeira e como isso poderia prejudicar clubes como o Bahia. Um usuário utilizou os dados das receitas do tricolor que recebeu em 2019, R$ 75 milhões da televisão e que no pay-per-view clube possuía 36 mil assinantes. Com isso, o cálculo feito era que o Bahia precisaria ter R$ 6,3 milhões mensais de receita para que os jogos na internet fossem viáveis.

Bellintani discordou da argumentação e disse que as contas estavam pressupondo que os esquadrão deixaria de vender direitos para a TV aberta, fechada e PPV.

“Essas contas pressupõem que o Bahia deixará de vender direitos para TV Aberta, Fechada e PPV para passar jogos apenas no streaming. Aí logicamente a conta não vai fechar nunca. O streaming atualmente pode no máximo substituir o PPV, no qual o Bahia recebe apenas 9mm/ano”.

Outra questão sobre o tema que foi especulada pela torcida seriam os valores que a a televisão pagaria aos clubes. Ao ser perguntado se o Bahia acreditava que receberia a mesma cota com os jogos sendo transmitidos na internet, Bellintani citou a abertura comercial pelos jogos como fator positivo.

“Pode ser que a Globo não queira pagar a mesma coisa. Mas o grande avanço da MP é que as perguntas e respostas agora devem substituir o termo “Globo” pelo termo “alguma empresa de transmissão”. Ou seja, se a Globo não quiser, alguém pode querer, fato improvável sem a MP”, explicou.