Publicado em 21/09/2021 às 07h30.

CBF amplia punição a Rogério Caboclo por assédio

Suspensão passou a ser de 21 meses

Redação
Foto: reprodução CBF TV
Foto: reprodução CBF TV

 
A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ampliou, nesta segunda-feira (20), a pena do presidente da instituição, Rogério Caboclo, punido após ser acusado de assédio sexual por uma funcionária.

A suspensão do gestor não será de apenas 15 meses, como determinado anteriormente, e sim por 21 meses, segundo a nova decisão da Comissão de Ética da federação, comandada por Amilar Alves, Marco Aurélio Klein e Carlos Renato Azevedo.

A ampliação da punição ocorreu após a defesa da funcionária realizar uma nova solicitação. Segundo o parecer, Caboclo violou o Código de Ética da organização, que trata de qualquer tipo de assédio.

A nova decisão da Comissão deve ser efetivada em uma Assembleia Geral, com a presença das 27 federações estaduais, marcada para acontecer na próxima semana.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.