Publicado em 16/10/2020 às 14h25.

‘Estou rindo, a mulher estava bêbada’, disse Robinho sobre acusação de estupro

O atacante do Santos foi condenado a 9 anos de prisão pela Justiça italiana

Redação
Foto: Instagram/ Arquivo Pessoal
Foto: Instagram/ Arquivo Pessoal

 

O jogador Robinho, condenado pela Justiça italiana a 9 anos de prisão pelo crime de violência sexual e estupro, revelou ter participado do ato denunciado por uma jovem albanesa de 23 anos, em transcrições de interceptações telefônicas. Os detalhes do processo foram revelados nesta sexta-feira (16) pelo site ‘Globoesporte.com’.

Em um trecho da conversa que Robinho tem com um amigo, o atacante do Santos ri da situação e afirma que está tranquilo com a Justiça. O caso aconteceu em 2013, no ano seguinte o jogador foi condenado pela Justiça italiana, e em 2020 após a contratação do Santos o caso voltou a tona.

“Estou rindo porque não estou nem aí, a mulher estava completamente bêbada, não sabe nem o que aconteceu. Olha, os caras estão na merda… Ainda bem que existe Deus, porque eu nem toquei aquela garota. Vi (NOME DE AMIGO 2), e os outros foderam ela, eles vão ter problemas, não eu… Lembro que os caras que pegaram ela foram (NOME DE AMIGO 1) e (NOME DE AMIGO 2)…. Eram cinco em cima dela.”

Robinho conta que não chegou a fazer sexo com a moça, mesmo confessando que colocou o pênis na boca da jovem. Para o atacante, o sexo oral não pode ser considerado sexo nem abuso. A conversa apresentada foi de 2014, quando os rapazes voltaram a falar sobre o assunto.

Robinho: –A polícia não pode dizer nada, eu direi que estava com você e depois fui para casa.
Jairo: – Mas você também transou com a mulher?
Robinho: – Não, eu tentei. (NOME DE AMIGO 1), (NOME DE AMIGO 2), (NOME DE AMIGO 3)…
Jairo: – Eu te vi quando colocava o pênis dentro da boca dela.
Robinho: – Isso não significa transar.

Em uma nova tentativa de defesa, Robinho fala com o amigo e diz novamente que não transou com a moça, desconsiderando o sexo oral.

“Telefonei a (NOME DE AMIGO 3), e ele me perguntou se alguém tinha gozado dentro da mulher e se ela engravidou. Eu disse que não sabia, porque me recordo que eu e você não transamos com ela porque o seu pênis não subia, era mole… O problema é que a moça disse que (NOME DE AMIGO 1), (NOME DE AMIGO 2) e (NOME DE AMIGO 3) a pegaram com força”.

Robinho e o amigo, Falco, foram condenados com base no artigo “609 bis” do código penal italiano, que fala da participação de duas ou mais pessoas reunidas para ato de violência sexual.

A defesa de Robinho, feita pelo advogado italiano Alexsander Guttierres, não comentou o teor das escutas telefônicas e voltou a garantir que Robinho não havia cometido nenhum crime.

“O artigo que enquadra meu cliente é claro: fala em induzir alguém a beber ou tomar droga com objetivo de usufruir dela sexualmente. Não há provas de que isso aconteceu. Fazer sexo com uma pessoa bêbada ou drogada não fere a lei. Não estou dizendo que ele [Robinho] é uma pessoa perfeita. Ele mesmo reconheceu ter tido uma conduta pouco séria, mas crime não cometeu”, disse ao Globo Esporte.