Publicado em 30/11/2019 às 18h00.

Bolívia: nova chanceler quer aproximação com EUA e Brasil

Karen Longaric diz ainda que pretende afastar país da Venezuela

Redação
Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

 

A Bolívia, até recentemente, era um dos principais alinhados da Venezuela, algo que deverá mudar com o governo interino de Jeanine Áñez, que assumiu o poder do país desde o dia 13 de novembro.

Com a nova política do governo, a Bolívia se distanciou de Nicolás Maduro e se aproximou do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e do governo dos EUA, com Donald Trump.

Responsável pelo ministério das Relações Exteriores, Karen Longaric, jurista e especialista em direito internacional, “rejeita a interferência” da Venezuela, segundo assegurou em entrevista à AFP.

“Queremos fortalecer os laços com todos os países. Infelizmente, com a Argentina, a situação é cada vez mais difícil dada a mudança de governo de [Mauricio] Macri pelo governo dos senhores Fernández [o presidente eleito Alberto Fernández e sua vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner]. Acreditamos que a situação será muito difícil, porque historicamente foram amigos de Evo Morales durante seus 14 anos de governo. A relação com o Brasil estava baixa, bastante desvalorizada; é do interesse da Bolívia fortalecer laços, ativar a cooperação internacional e também abrir mercados com os Estados Unidos”, afirmou.

PUBLICIDADE