Publicado em 27/11/2021 às 18h30.

China e Rússia criticam ‘Cúpula pela Democracia’ organizada por Biden

Os países não foram convidados para a cúpula virtual sobre democracia que o presidente Joe Biden organizará no próximo mês

Redação
Foto: Divulgação / White House
Foto: Divulgação / White House

 

Os embaixadores da China e da Rússia nos Estados Unidos, Qin Gang e Anatoli Antonov, criticaram em declaração conjunta, a exclusão de seus países da cúpula virtual sobre democracia que o presidente Joe Biden organizará no próximo mês. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

Em artigo publicado na revista National Interest, os diplomatas afirmam que decidir quem é um “país democrático” e quem não tem esse status é produto de uma “mentalidade da Guerra Fria” que pode reacender confrontos ideológicos.

Em defesa de Moscou e Pequim, os embaixadores dizem que a Rússia é um “estado federativo democrático com uma forma republicana de governo” e que a China tem uma “ampla democracia socialista que se adapta às realidades do país e conta com forte apoio do povo”.

“Nenhum país tem o direito de julgar a vasta e variada paisagem política do mundo com um único critério”, diz o texto assinado por Qin e Antonov.

A reunião está marcada para os dias 9 e 10 de dezembro e faz parte de uma das promessas de campanha de Biden, de promover a democracia em âmbito global. Ao todo, 110 países foram convidados para participar da cúpula, como Brasil, Taiwan, Índia e Paquistão.

Além de China e Rússia, ficaram de fora outros Estados governados por líderes com tendências ao autoritarismo, como Hungria e Turquia.



Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.