Publicado em 18/09/2020 às 20h20.

Incêndios em florestas batem recordes globais; emissão de CO2 é a maior em 18 anos

No Brasil, queimadas são causadas principalmente pelo desmatamento

Redação
Foto: Mayke Toscano/Secom-MT
Foto: Mayke Toscano/Secom-MT

 

Os incêndios que atingem florestas em todo o mundo são os maiores em emissões de CO2 do planeta em 18 anos, conforme mostram dados da Nasa, agência espacial dos Estados Unidos, e o Sistema Copernicus, da União Europeia. Os estudos levaram em consideração as queimadas no Pantanal brasileiro, na costa oeste dos Estados Unidos, em Nova Gales do Sul, na Austrália, e no Ártico Siberiano.

No Brasil, as queimadas são causadas principalmente pelo desmatamento. Dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostraram que entre julho de 2019 e julho de 2020 o número de incêndios na Amazônia aumentou em 28%.

O bioma do sul da Amazônia e no Pantanal, que se estende por Brasil, Paraguai e Bolívia, já teve 2,5 milhões de hectares destruídos, cerca de 15% da região. As áreas concentram umas das maiores biodiversidades do planeta.

Apenas na primeira metade deste mês, o número de focos de incêndio nas terras tupiniquins é quase duas vezes maior do que em todo mês do ano passado. Até quinta-feira (17), foram contabilizados quase 16 mil focos de incêndios. Este é o maior número de queimadas desde que o Inpe começou a contabilizar as estatísticas em 1998.