Publicado em 14/10/2019 às 22h00.

Tribunal Supremo da Espanha condena separatistas catalães a penas de até 13 anos

Foram impostas penas por sediação e malversação a nove acusados presos desde 2017; três réus tiveram os direitos políticos cassados

Redação
Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

 

Nove líderes separatistas catalães condenados por sedição no julgamento do chamado no julgamento do chamado procés independentista receberam penas de 9 a 13 anos de prisão pelo Tribunal Supremo da Espanha.

A pena mais alta foi do ex-presidente do governo catalão, Oriol Junqueras, condenado a 13 anos pelo crime de sedição, tendo a malversação como crime acessório (quando um delito é um meio necessário para que outro seja cometido).

Dos outros oito acusados que estavam em prisão preventiva, três ex-conselheiros governamentais (Raül Romeva, Jordi Turull e Dolors Bassa) foram condenados a 12 anos de prisão por sedição e malversação; os outros dois (Josep Rull e Joaquim Forn) foram absolvidos do crime de malversação, e o tribunal lhes impôs 10 anos e meio da prisão.

Ex-presidenta do Parlamento catalão, Carme Forcadell  foi condenada a 11 anos e meio por um crime de sedição. Por este mesmo delito foi imposta uma pena de nove anos aos líderes das organizações ANC, Jordi Sànchez, e Òmnium, Jordi Cuixart.

Os únicos três processados que aguardaram o julgamento em liberdade (os ex-conselheiros Santi Villa, Carles Mundó e Meritxell Borràs) foram sentenciados a um ano e oito meses de perda dos direitos políticos e 10 meses de multa com uma cota de 200 euros (cerca de 900 reais) por dia.

Os três foram absolvidos de malversar recursos públicos. A sentença provocou protestos em vários pontos da Catalunha. Durante toda a manhã desta segunda-feira e início da tarde, importantes vias, estradas, trechos de trens e metrô foram bloqueados pelos grupos independentistas.

Segundo informações do El País, a polícia catalã tenta controlar os acessos ao metrô e teve que fechar todos os acessos ao aeroporto de Barcelona. As ações nas ruas foram convocadas pela plataforma Tsunami Democràtica.

PUBLICIDADE