Publicado em 09/09/2022 às 12h45.

Servidores paralisam atividades e fazem protesto no Centro Administrativo

Sindicato contesta cortes realizados na folha e acusam secretário de Administração de 'condutas antissindicais'

Redação
Foto: assessoria/ Assepmulfeba
Foto: assessoria/Assepmulfeba

 

Servidores da prefeitura de Lauro de Freitas paralisaram as atividades nesta sexta-feira (9). A categoria promoveu também um protesto no Centro Administrativo do município. Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos do Município de Lauro de Freitas (Assepmulfeba), o ato é uma resposta a “cortes ilegais na remuneração de diversos servidores efetuados pela Secretaria de Administração (Secad), além da falta de pagamento da produtividade algumas categorias determinadas por lei”.

A entidade, em nota, também acusa o secretário de administração, Ailton Florencio dos Santos, e o coordenador de RH, Hugo Libório, de “condutas antissindicais”. Os dois gestores teriam “desrespeitado reiteradamente” os representantes dos servidores. Os dois, segudo o sindicato, teriam descumprido até determinações da prefeita Moema Gramacho (PT).

“As categorias têm sofrido por condutas arbitrárias da Secad de cortes na remuneração, sem nenhum aviso prévio para que o servidor e o sindicato possam contestar, além de repetidas condutas que podem constituir verdadeiro assédio. Mais que combater, precisamos dar um basta”, declarou o presidente do sindicato dos Servidores, Eusébio Júnior. “Certamente, a prefeita Moema Gramacho muitas vezes não tem ciência, mas esse ato demonstra nossa profunda insatisfação e faremos outros se não forem tomadas as devidas providências”.

De acordo com a Assepmulfeba, o ato contou com a adesão de associações de servidores municipais, como guardas, engenheiros, arquitetos, procuradores, auditores, assistentes administrativos, assistentes sociais, Fiscais, motoristas e operadores de máquinas e profissionais da saúde. O bahia.ba entrou em contato com a assessoria da prefeitura, que ficou de entrar consultar a Secretaria de Administração antes de dar um posicionamento. Quando a resposta for enviada será publicada no espaço devido.

Posicionamento da prefeitura

Em nota, a Secretaria Municipal de Administração e de Ações e Planejamento Estratégico de Lauro de Freitas informa que não existiu nenhum tipo de corte de salários de vantagens ou indenizações, pagas a servidores de carreira da Prefeitura.

“Em oportunidade anterior, justamente em cumprimento a uma postura de diálogo e respeito aos sindicatos, foi informado a existência de questionamentos quanto à legalidade do pagamento de algumas verbas, em um processo de diálogo que ainda seria aberto entre categorias, procuradoria jurídica, e demais órgãos de controle”

A prefeitura disse ainda que “não houve, assim, nenhum tipo de supressão ou retirada de valores que resultasse em perda salarial, sobretudo sem respeito ao direito de manifestação de cada servidor que seria eventualmente afetado. Desse modo, ressaltamos que a informação é improcedente, permanecendo a gestão aberta ao diálogo, visando convergir os esforços de legalidade, com o interesse dos trabalhadores e trabalhadoras, garantindo conquistas e ampliando direitos, conforme preceitua nosso plano de governo e os compromissos firmados pela atual gestão”.

A secretaria salientou também que a gestão tem sido ampla e irrestrita garantidora dos direitos dos trabalhadores, tendo ampliado garantias, cumprido o piso do magistério, dos agentes de saúde e endemias, e concedendo reajustes e recomposições salariais sempre que possível, além de honrar pagamento de salário. Apenas este ano foram concedidos 15% de reajuste ao conjunto de servidores, e 31% aos servidores do magistério.

“O salário dos trabalhadores, aliás, é valor intocável, e inegociável da atual gestão, que vem demonstrando seu compromisso, mantendo pagamentos rigorosamente em dia, apesar da crise econômica, e ampliando direitos, sem jamais retroceder”.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.