Publicado em 03/12/2015 às 18h18.

‘ACM Neto constrange a Bahia’, diz Solla após fala do prefeito

O democrata disse que o foco da oposição não era o presidente da Câmara de Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), e sim a presidente Dilma Rousseff (PT)

Hieros Vasconcelos
12291941_1011435138921606_6863939437992111515_o
Neto participou da Convenção Nacional do Democrata, que teve a presença do senador Aécio Neves (PSDB) (Foto: Facebook de ACM Neto)

 

A declaração do prefeito ACM Neto (DEM) sobre a abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff pela Câmara dos Deputados, noticiada pelo jornal O Globo nesta quinta-feira (3), rendeu críticas do deputado federal Jorge Solla (PT) em sua página na rede social Facebook. O gestor soteropolitano teria dito que o foco da oposição, no momento, não é o presidente da Casa Legislativa, responsável por iniciar a tramitação da ação que tenta promover a troca no comando do governo federal. “O nosso foco é a Dilma. O nosso foco não é o Eduardo Cunha”, disse o alcaide, que participou nesta quinta da Convenção Nacional do Democrata, em Brasília.

Pela internet, Solla bradou: “Absorver um corrupto em troca do impeachment, pode prefeito? Que vergonha. (…) Neto constrange a Bahia com a flexibilidade oportunista de sua ética. É muita cara de pau querer derrubar a presidente Dilma Rousseff, contra quem não há nada, com base em pretextos contábeis; e para viabilizar esse golpe absolver um corrupto afundado na lama, o Eduardo Cunha”, escreveu.

 

12313787_1075213992498459_8588796099816645102_n
Em seu Facebook, Solla chama de ‘vergonha’ a declaração de ACM Neto ao Jornal O Globo

Confira o post na íntegra do deputado:

Encher as contas na Suíça com dinheiro de corrupção pode, agora atrasar repasses a bancos públicos que não geraram nenhum prejuízo aos cofres público, isso é motivo de afastar uma presidente da República. É isso que defende, por exemplo, o prefeito ACM Neto.

Neto constrange a Bahia com a flexibilidade oportunista de sua ética. É muita cara de pau querer derrubar a presidente Dilma Rousseff, contra quem não há nada, com base em pretextos contábeis; e para viabilizar esse golpe absolver um corrupto afundado na lama, o Eduardo Cunha.

Este golpista não vai prosperar e esses políticos vão pagar um preço alto junto a sociedade, porque quando se brinca com a democracia e se gera instabilidade institucional, quem perde a população, que sofre com o desemprego e com o agravamento da crise.

A postura da oposição, de escancarar a sede do poder a qualquer custo, será suficiente para que a população perceba o quanto este processo é ilegítimo. É muita irresponsabilidade com o nosso país brincar com a democracia. Não há um centavo contra a presidente Dilma e ela sairá deste processo fortalecida para governar o país até 2018. Já a oposição precisará pedir desculpas à população.

PUBLICIDADE