Publicado em 18/01/2018 às 18h25.

Aliados de Neto acreditam que MDB não efetivou discurso de mudança

Interlocutores do prefeito reconhecem que ficou impossível sustentar o “MDB de Geddel e Lúcio” na vitrine durante a campanha

Rodrigo Aguiar
Foto: Reprodução / Bahia no Ar
Foto: Reprodução / Bahia no Ar

 

Praticamente fora da provável chapa do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM) este ano, o MDB baiano não conseguiu efetivar um discurso de transformação, após a prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB) e o desgaste do deputado Lúcio Vieira Lima, denunciado junto com o irmão pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Apesar do vídeo estrelado recentemente por “jovens lideranças” do MDB baiano, o entendimento de aliados do democrata é de que faltou à legenda ser mais cirúrgica e adotar uma postura que sugerisse uma ruptura maior com os Vieira Lima.

A presidência do partido no estado, por exemplo, é exercida pelo deputado estadual Pedro Tavares, ligado a Lúcio de forma umbilical.

O fato é que, para o democrata, ficou impossível sustentar o “MDB de Geddel e Lúcio” na vitrine durante a campanha.

Outra consequência da manutenção dos Vieira Lima no comando da legenda é a provável saída em bloco de deputados da sigla, preocupados com suas tentativas de reeleição. “A debandada é latente”, aposta um interlocutor do partido.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.