Publicado em 29/05/2020 às 16h53.

Após manifestações antidemocráticas, PGR pede ao STF ações contra bolsonaristas

Partes dos atos aconteceram em abril, em frente ao Palácio do Planalto, onde os manifestantes pediam intervenção militar e extinção do STF

Redação
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

 

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu novas diligências contra aliados do presidente Jair Bolsonaro no inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga manifestações com pautas antidemocráticas.

Partes dos atos aconteceram em abril, sobretudo em frente ao Palácio do Planalto, onde os manifestantes se reuniam com faixas pedindo intervenção militar e a extinção do STF.

O pedido caiu no colo do ministro Alexandre de Moraes que deve autorizar ou não as medidas. Ele já moveu um inquérito contra políticos, blogueiros e empresários apoiadores bolsonaristas, de acordo com informações do Jornal O Globo.

O inquérito, que está sob sigilo, foi aberto no mês passado. A PGR, chefiada por Augusto Aras, citou violação à Lei de Segurança Nacional e a participação de deputados federais nos eventos. Bolsonaro, que participou de ato em que os manifestantes pediram intervenção militar, a volta do AI-5 (Ato Institucional Nº 5) e o fechamento do Congresso e do STF, um caso de retorno à ditadura, não é alvo de investigação.

Esta investigação não tem a ver com a ação da Polícia Federal por ordem do STF, na última quarta-feira, que atingiu aliados do presidente. Os mandados de busca e apreensão ocorreram no âmbito da investigação sobre fake news e ataques contra ministros do STF, instaurado há mais de um ano.