Publicado em 17/06/2021 às 14h58.

As pedras do caminho de ACM Neto…

Talvez um banho de folha ajude (quem sabe?)

Levi Vasconcelos
Foto: Max Haack/Divulgação
Foto: Max Haack/Divulgação

 

Pergunta o leitor Raimundo Mineiro, de Feira de Santana: até que ponto os ataques de Rodrigo Maia, o ex-presidente da Câmara, chegam a prejudicar ACM Neto?

Sabe-se lá, mas é claro: se eles dois eram amigos próximos e agora inimigos públicos, claro que isso não é bom. E integra o mix de contratempos que Neto enfrenta no momento, lá e cá.

Rodrigo já disse que Neto ‘tem os defeitos do avô, mas não tem as qualidades do tio (Luís Eduardo)’ e que ele dá ‘um bom vice para Bolsonaro’. Resultado, acabou expulso do DEM, do qual ele já tinha dito que ia sair.

Wagner

Aliás, já o dissemos e repetimos: 2020 terminou sorridente para Neto com as vitórias em Salvador, Feira de Santana e Vitória da Conquista, mas de lá para cá o tempo virou. Além da rusga com Rodrigo Maia, em fevereiro, por causa da eleição para a presidência da Câmara, quando Rodrigo fechou contra Arthur Lira (PP-AL), o candidato de Bolsonaro, teve também o rompimento de João Roma, outro ex-amigo que virou adversário, e, mais que isso, ameaça tornar-se uma pedra no sapato.

Complicando a situação, veio a liberação de Lula pelo STF, o que reabasteceu o gás da era do PT na Bahia, e, por tabela, turbinou Jaques Wagner, quem ele deve enfrentar.

De quebra, Neto está no meio do fogo cruzado entre Lula e Bolsonaro, esperando ver no que é que Ciro Gomes vai dar.

Talvez um banho de folha ajude (quem sabe?).

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.