Publicado em 23/05/2018 às 15h44.

Bolsonaro em Salvador: PSL cancela trio e trará caravanas do interior

Presidente do PRTB na Bahia, Rogério Da Luz disse que o ex-prefeito João Henrique foi convidado para participar de encontro, o que é negado pelo PSL

Rodrigo Aguiar
Foto: Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados
Foto: Alex Ferreira/ Câmara dos Deputados

 

Em visita à capital baiana nesta quinta-feira (24), o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) não vai mais discursar em um trio, ao chegar ao aeroporto de Salvador, no final da manhã, informou o presidente municipal do PSL, Antônio Olívio, conhecido como Toninho.

“Cancelamos o trio. Ia causar muito tumulto, paralisar a vida da cidade ali no aeroporto. Tem muita caravana vindo do interior”, afirmou o dirigente ao bahia.ba.

À noite, Bolsonaro palestrará para um grupo de mil pessoas no auditório do Gran Hotel Stella Maris, segundo Toninho.

Convite – O presidente do PRTB na Bahia, Rogério Da Luz, disse que o ex-prefeito João Henrique, pré-candidato do partido ao governo da Bahia, foi convidado para participar do encontro com Bolsonaro, mas não deverá ir. O suposto convite é negado por Toninho: “É mentira. Ninguém convidou João Henrique”.

O ex-prefeito defende uma chapa presidencial formada por Bolsonaro e o general da reserva Antônio Hamilton Mourão, filiado recentemente ao PRTB.

Da Luz afirmou que, como se trata de um evento de pré-campanha de Bolsonaro, é preciso aguardar os rumos do PRTB. “Temos um pré-candidato a presidente, que é Levy Fidelix, que abriria mão para Mourão ser candidato. Uma coisa é certa: Mourão e Bolsonaro, ambos militares, representam essa nova linha que a população está pedindo. Do jeito que está hoje, precisa realmente ter um pulso firme para afazer as mudanças necessárias no país”, defendeu.

Prona – Em sua passagem por Salvador, Bolsonaro não deve ter, pelo menos “oficialmente”, o apoio dos “filhos ideológicos” de Enéas Carneiro, considerado um “herói” pelo presidenciável por seu nacionalismo e combate ao comunismo.

“Talvez alguém vá por conta própria; não é algo que vamos estimular ou proibir”, declarou José Calasans Jr., que comanda na Bahia a tentativa de refundar o Prona.

“Apesar das nossas divergências, principalmente na parte da economia, sabemos que o Bolsonaro não é corrupto. Ele pode ter alguns defeitos, mas não está com o nome sujo. Apesar de errar em algumas defesas, ele tem a boa intenção”, acrescentou.

Para Calasans, o Prona pode ser descrito como um partido conservador e nacionalista, “que sempre se colocou como não sendo de esquerda ou de direita”.

O incômodo dos “herdeiros” do Prona com Bolsonaro seria, segundo Calasans, a guinada do parlamentar para posições econômicas liberais. Como a legenda ainda não foi refundada, um grupo está filiado ao PRTB para disputar as eleições deste ano.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.