Publicado em 13/07/2020 às 11h24.

Candeias também tem seu ‘vaza jato’

Programa de rádio divulga um áudio em que dois vereadores estão tentando extorquir R$ 200 mil do prefeito para barrar um processo

Levi Vasconcelos

No tempero do agito político em Candeias, em que o prefeito Pitágoras Ibiapina (PP) foi afastado pela Câmara, mas não saiu do cargo, uma bomba: o radialista Roque Santos divulgou num programa de rádio um áudio em que dois vereadores estão tentando extorquir R$ 200 mil do prefeito para barrar o processo.

Um deles seria Edmilson Amaral Santos, o Mica, relator do processo, que nega, embora a voz seja dele. A perícia já foi pedida.

Pitágoras fez até carreata para comemorar a vitória na Justiça que o manteve no cargo. Isso pode.

Entra e sai

Aliás, Candeias, na Região Metropolitana de Salvador, área petrolífera, vem carregando um estigma: o entra e sai de prefeitos. Tonha, Maria Maia, Amiga Ju e Sargento Chico, os últimos, passaram por isso, afastados ou indo e voltando.

Pitágoras Ibipiabina, o atual, protagoniza algo inédito.

O caso: a Câmara decidiu, por 9 votos a 8, acatar uma denúncia por superfaturamento na compra de respiradores e imediatamente o afastou. Deu posse à vice-prefeita Márcia Gomes (PSDB), mas quando ela chegou na porta da Prefeitura, a PM barrou. Pitágoras estava no gabinete, e de lá não arredou o pé. A cidade passou o dia assim. No fim da tarde, a Justiça anulou a decisão da Câmara, e ele tornou-se o único que voltou sem nunca ter saído

Nem tão secreta

As votações na Câmara de Candeias que resultaram no afastamento do prefeito Pitágoras Ibiapina foram duas, com características bastante singulares.

A primeira votação foi aberta, para ver se acatava ou não a denúncia contra o prefeito. Placar: 9 a 8.

A segunda, para ver se afastava o prefeito ou não, foi secreta. Placar: 9 a 8.

Nada de segredo. Os adversários de Pitágoras tinham muita pressa.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.

Mais notícias