Publicado em 28/01/2016 às 13h25.

Carnaval: Comandante acha que ‘Metralhadora’ não incentiva a violência

Coronel Anselmo Brandão recomenda que cantores não incentivem rivalidade entre os bairros de Salvador

Rebeca Bastos
Foto: Mateus Pereira/GOVBA
Foto: Mateus Pereira/GOVBA

 

Ao contrário do Ministério Público, que recomendou cautela ao governo da Bahia e à prefeitura de Salvador, sobre a contratação com recursos públicos de artistas que incentivem a violência, exponham mulheres ao constrangimento ou contenham manifestação de homofobia, o comandante-geral da Polícia Militar na Bahia, coronel Anselmo Brandão, não acha que a música “Paredão Metralhadora” da banda A Vingadora vá dar trabalho durante a festa. “Acho que não podemos reforçar que determinada música ou banda vá causar problemas no Carnaval. Ano passado estávamos muito preocupados com o cantor Igor Kannário, que passou na avenida sem gerar problemas”, relembrou. “Uma das recomendações que damos para os cantores de carnaval é que não incitem a rivalidade dos bairros, durante a festa. Nada de chamar ‘bairro de Pau da Lima, Castelo Branco'”, exemplificou, sobre o que pode incitar brigas de territórios, ao revelar que “isso vai ser conversado com cada artista”.

Portões de acesso – Brandão também recomendou que os foliões não levem objetos pontiagudos, perfurocortantes ou de vidro, para não ter problemas em um dos 40 portais de acesso do Carnaval. As fantasias estão “liberadas sem restrições”, mas os foliões terão que ter paciência para o caso de o detector de metal sinalizar e mostrar aos agentes o objeto apontado pelo equipamento.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.