Publicado em 15/12/2019 às 15h30.

‘COP 25 não deu em nada’, afirma ministro Ricardo Salles

"Países ricos não querem abrir seus mercados de créditos de carbono", ressaltou

Redação
Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Foto: Roque de Sá/Agência Senado

 

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou neste domingo (15) que “a COP 25 não deu em nada”.

“Países ricos não querem abrir seus mercados de créditos de carbono. Exigem medidas e apontam o dedo para o resto do mundo, sem cerimônia, mas na hora de colocar a mão no bolso, eles não querem”, escreveu Salles, em sua conta no Twitter.

Segundo o portal G1, a atuação do Brasil na COP 25 se concentrou em pedir recursos dos países ricos para preservação no Brasil. Mas, nos últimos dias do evento, o país também protagonizou um impasse sobre artigos que tratavam da participação dos oceanos e o uso da terra nas mudanças climáticas.

Em entrevista à GloboNews, o ministro Ricardo Salles disse que o objetivo do Brasil é “não desviar o foco” das emissões provocadas pela queima de combustíveis fósseis das maiores economias do mundo.

“É importante o Brasil deixar claro que o problema das emissões de gases são os combustíveis fósseis. E, portanto, tem que deixar clara a tentativa de disfarçar a discussão dos combustíveis fósseis, afastar e logar para outros temas”, declarou.

No Brasil, o desmatamento é a principal fonte de emissões de gases causadores do efeito estufa, mas, no mundo, a queima de combustíveis fósseis, como gás e derivados de petróleo, é o motivo de maiores emissões.

Salles criticou, ainda, “um protecionismo muito forte dos países ricos” durante os debates da COP 25, “para não abrir seus mercados de carbono para os países em desenvolvimento”.

PUBLICIDADE