Publicado em 04/12/2015 às 09h24.

De ponta a ponta: Santo Amaro

Cassação em massa agita a terra de Caetano Veloso

Levi Vasconcelos

Santo Amaro da Purificação, terra de tantas tantas passagens marcantes na história da Bahia, mais uma vez faz a diferença, agora pelo lado ruim. O povo lá vive dias agitados com a sucessão do prefeito Ricardo Machado (PT). Não pense que 2016 chegou mais cedo lá. A expectativa é a de que ela vai acontecer já, nos próximos dias.

Semana passada, a justiça eleitoral, de uma só canetada, cassou seis dos 15 vereadores, quase a metade da Câmara, inclusive o presidente Luciano Caldas (PSL), todos acusados de vários crimes eleitorais, como a contratação de eleitores em caráter temporário no período eleitoral. De quebra, todos estão inelegíveis por oito anos. E no mesmo pacote estão o prefeito Ricardo Machado e o vice Leonardo Pereira (PSB).

O grupo se estrepou graças a um ardil da promotora Cleide Ramos. Na campanha de 2012, ela fingiu-se de eleitora e foi às ruas verificar denúncias que lhe chegavam. Pegou todos com as mãos na botija, construindo um leque de provas tão contundentes que surpreende o julgamento ter demorado tanto.

QUEM ASSUME – Na Justiça, quem assinou a denúncia foi o promotor João Paulo Santos Schoucair, plenamente acatada pela juíza Ana Gabriela Trindade, que deu a sentença. Desde março, o afastamento deveria ter acontecido. O grupo se beneficiou de recursos protelatórios.

Em 2012, Ricardo Machado ganhou a eleição com 60,1% dos votos. O segundo colocado, Cassinho, teve 38,84 e o terceiro, Binho, apenas 0,12%. Trocando em miúdos: saindo Ricardo terá que haver nova eleição, pela via indireta. Ou seja, a Câmara vai eleger. E dentro disso o vereador Justino Oliveira Santos (PP), com cinco mandatos e probidade reconhecida, é o favorito.

E na Câmara, como fica? Os atuais suplentes até se animaram, mas a Justiça pediu calma. Primeiro, os cálculos do quociente eleitoral terão que ser refeitos, já que os votos dados aos cassados serão nulos. A expectativa é grande. E dupla.
E 2016? – Ricardo Machado foi reeleito em 2012, não poderia ser candidato em 2016. Estava ensaiando lançar o vice Leonardo, agora na iminência de também ficar inelegível.

O ex-vereador Flaviano Bonfim (PTB), até a cassação em massa, despontava como líder das pesquisas. Foi candidato a deputado estadual em 2012 e, só em Santo Amaro, conquistou mais de nove mil votos. Tinha como adversário mais forte, também na oposição, o vereador Justino.

Agora, a pergunta que se faz: e se Justino se eleger prefeito com a cassação de Ricardo, como fica o cenário? A resposta a essa pergunta é outro motivo de agito na política local. O que ninguém tem dúvida em Santo Amaro é que 2016 será diferente.

OS CASSADOS – Os vereadores cassados em Santo Amaro são os seguintes: Artur Pereira Suzart (PT), Elias Pereira Neto (PRB), Jair Oliveira Santana (PSB), Júlio César de Jesus Pinho (PHS), Luciano dos Reis Caldas (PSL) e Raimar Fabiano Costa (PSC).

PUBLICIDADE