Publicado em 21/01/2020 às 21h40.

Demandas nacionais devem ditar pauta na AL-BA; Previdência é ‘página virada’

Com tramitação em regime extraordinário, reforma da Previdência estadual não deve mobilizar deputados a partir de fevereiro

Estela Marques
Fotos: Sandra Travassos/ AL-BA | Divulgação/ Ascom | Edição: bahia.ba
Fotos: Sandra Travassos/ AL-BA | Divulgação/ Ascom | Edição: bahia.ba

 

Os parlamentares retornam ao trabalho oficialmente em 3 de fevereiro, mas na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) a movimentação foi intensa no que deveria ser apenas férias. De proeminente, a tramitação do projeto de reforma da Previdência enviado pelo governador Rui Costa.

O líder da oposição, deputado Targino Machado (DEM), já considera este um ponto vencido pelo governo. “Não tem mais reforma da Previdência porque será aprovada ‘pra semana’. A reforma da Previdência está fora das expectativas. A pauta está limpa. A pauta é dos projetos que chegarem agora, a partir do dia 1º. Não posso fazer exercício de futurologia pra dizer quais temas vão acelerar”, disse.

Por outro lado, Rosemberg Pinto (PT), líder do governo na Casa, faz leitura mais ampla dos temas que podem mobilizar a AL-BA em 2020. Da mesma forma que a reforma da Previdência nacional respingou aqui no estado, outros assuntos vão influenciar a pauta estadual.

“Vamos ter uma agenda, na minha opinião, muito complexa. Vamos debater a questão da água, questões importantes… No momento que discute reforma tributária no Congresso Nacional, terá impacto nos estados. Então, como vamos tratar isso aqui? É um tema relevante”, enumerou o petista.

Ainda de acordo com Rosemberg, a pauta da AL-BA pode ser influenciada também pelo desempenho da economia baiana. O líder do governo fala sobre “ajudar o governador a manter as contas em equilíbrio”.

PUBLICIDADE