Publicado em 12/08/2022 às 14h10.

Deputado que chamou Camila Pitanga de ‘bezerrona’ se justifica: cultura rural

Segundo Robinho (PP), após o presidente Jair Bolsonaro limitar o repasse de verbas à classe artística, muito artistas estão 'revoltados' e 'choramingando'

Adriano Villela / Cássio Santana

robinho2

 

O deputado estadual Robinho (PP) justificou, ao bahia.ba nesta sexta-feira (12), seu comentário em relação a declarações da atriz Camila Pitanga, que defendeu o retorno do ex-presidente Lula (PT) à presidência. Em um grupo de aplicativo de mensageria, o parlamentar baiano ironizou a reivindicação da atriz global: “Bezerrona apartada dá muito trabalho. Berra muito”, escreveu.   Após repercussão negativa, Robinho minimizou as críticas e lembrou sua ‘origem rural’ para justificar a declaração. De acordo com Robinho, após o presidente Jair Bolsonaro (PP) limitar o repasse de verbas à classe artística através da Lei Rouanet, muito artistas estão ‘revoltados’ e ‘choramingando’.

“Com a Lei Rouanet limitada a R$ 500 mil,  dificultando a vida de certos artistas, deixou muita gente choramingando e muita gente revoltada com o presidente Bolsonaro. Então, foi um comentário que eu fiz, com relação à matéria em que Camila Pitanga pede a volta do ex-presidente [Lula]. Como eu sou de cultura rural, me lembrei que meu pai sempre falava ‘apartar bezerro dá muito trabalho, porque o bicho fica berrando demais’. Então Bolsonaro quando tirou as vantagens grandes da Lei Rouanet, deixou muita gente aí revoltada e criticando, xingando, questionando o governo Bolsonaro”, disse Robinho.

Nesta sexta-feira (12), a  secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia, Julieta Palmeira, repudiou as declarações do deputado e as classificou como ‘antidemocráticas’ e ‘rudes’. Para titular da SPM-BA, a violência política de gênero fere a democracia e atinge não só ocupantes de cargos legislativos ou executivos.

 

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.