Publicado em 11/09/2019 às 07h46.

Em visita ao Senado, Aras nega proximidade com Wagner e outros petistas

Indicado por Bolsonaro foi ao Senado com o assessor parlamentar da PGR

Redação
Foto: Roberto Jayme/Ascom-TSE
Foto: Roberto Jayme/Ascom-TSE

 

Augusto Aras, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para assumir a Procuradoria Geral da República (PGR), se submeteu na terça (10), segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, a uma espécie de prévia da sabatina no Senado.

De acordo com a publicação, no gabinete da presidência da Casa, respondeu a perguntas de cerca de 18 senadores, de várias siglas.

Aras exaltou resultados da Lava Jato, mas disse que a operação não pode se perder em “vaidades pessoais” de seus membros. Questionado sobre como seria sua atuação diante de eventuais problemas do Executivo, respondeu: “Jamais tive medo de cumprir minhas funções”.

Ainda segundo a publicação, Aras foi ao Senado com o assessor parlamentar da PGR, mas entrou para a reunião no gabinete do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), sozinho.

O indicado de Bolsonaro rebateu insinuações de proximidade com petistas. Disse que esteve com Jaques Wagner (PT) três ou quatro vezes, contando encontros casuais em aeroportos. O petista confirmou que eles nunca foram amigos.

PUBLICIDADE