Publicado em 16/11/2015 às 16h52.

Governistas querem votar ITIV na Câmara de Salvador esta semana

Projeto trava a pauta da Casa e amperrando a discussão e votação de projetos considerados importantes, como o PDDU

Hieros Vasconcelos

Com a proximidade da chegada do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) à Câmara Municipal de Salvador, prevista para quarta-feira (18), às 15h30, os holofotes do Legislativo municipal devem se voltar, esta semana, para o projeto que  institui o parcelamento do Imposto de Transmissão de Intervivos (ITIV) apenas para imóveis novos.

O prazo para a votação do projeto, que foi enviado à Casa em caráter de urgência, foi esgotado. A matéria deveria ter sido votada em meados de outubro e agora trava a pauta do Legislativo municipal, o que pode atrasar ainda mais o rito de discussão e votação do PDDU,  projeto tido como uma espécie de galinha dos ovos de ouro dos setores empresarial e da construção civil.  Os vereadores encontram-se na tarde desta segunda-feira (16) em sessão para discutir o assunto.

Nos bastidores, a informação é de que a bancada governista corre contra o tempo para encontrar o 29º voto para levar o ITIV à votação, mesmo sem consenso com os oposicionistas, que querem o parcelamento estendido também para imóveis usados.  Como a matéria tem caráter tributário, os 28 votos favoráveis não bastam para a aprovação. Apesar de aliado do prefeito ACM Neto (DEM), o vereador Paulo Câmara (PSDB) não pode votar por ser o presidente da Casa. Nos corredores, afirma-se ainda que Neto começa a pensar na possibilidade de acatar a emenda da oposição.

Ferrenha opositora ao governo do prefeito ACM Neto (DEM), a vereadora Aladilce de Souza (PCdoB) disse  que o projeto apresenta inconstitucionalidade. “O projeto tem várias matérias caracterizando inconstitucionalidade, como outorga onerosa, transação, remissão, renúncia de receita e o parcelamento do ITIV. Queremos que o governo concorde com nossa emenda, que é de estender o parcelamento para os imóveis usados”, disse.

Segundo a comunista, ao jogar sobre a oposição a responsabilidade da pauta trancada o prefeito está sendo injusto. “Nós estamos com esse projeto travando a pauta. O prefeito vem de maneira surpreendente, jogando responsabilidade em cima da oposição, o que mostra que ele não conseguiu convencer 29 vereadores para votar o projeto do jeito que mandou para Câmara”.

O projeto  institui o pagamento do ITIV parcelado para imóveis novos, ou lançamentos, em até 12 vezes, com primeira parcela vencendo em até 30 dias a contar da data de assinatura do contrato de compra. Prevê, ainda, 10% de desconto a quem efetuar a compra à vista. Atualmente, o imposto corresponde a 3% do valor do imóvel e é pago em apenas uma única parcela.

Oposição – A oposição, embora compreenda que o projeto pode facilitar aquisição de imóveis e reaquecer o setor da construção civil, acha necessário incluir a emenda que estende o parcelamento também aos imóveis usados. A bancada do governo não aceita, mas também não descarta estender o parcelamento em outro momento. Numa das justificativas, afirmam que as transações de compras de imóveis usados são as em que mais ocorrem sonegação do imposto de transmissão de intervivos.

Leia mais:

Neto admite possibilidade de retirar ITIV da Câmara

Mais notícias