Publicado em 23/04/2016 às 17h00.

Grupo protesta em frente à residência oficial de Temer

O movimento, intitulado "Escracho contra Temer", tem o objetivo, segundo os organizadores, de denunciar o "golpe" contra a presidente Dilma Rousseff

Agência Estado
DF - PROTESTO/TEMER/LEVANTE - POLÍTICA - Manifestantes do movimento Levante   Popular da Juventude fazem protesto   contra o vice-presidente da República,   Michel Temer (PMDB), na entrada do   Palácio do Jaburu, sua residência   oficial em Brasília, na tarde deste   sábado, 23. O grupo levou faixas contra   Temer, Eduardo Cunha (presidente da   Câmara) e a Rede Globo e pichou o   asfalto com a inscrição "QG do Golpe".    23/04/2016 - Foto: ANDRÉ DUSEK/ESTADÃO CONTEÚDO
Foto: André Dusek / Estadão Conteúdo

 

Um grupo de cerca de 150 pessoas faz na tarde deste sábado (23) um protesto em frente ao Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB). O movimento, intitulado “Escracho contra Temer”, tem o objetivo, segundo os organizadores, de denunciar o “golpe” que vem sendo articulado pelo vice-presidente e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), contra a democracia e a presidente Dilma Rousseff (PT).

O protesto é realizado no mesmo dia em que Temer convidou para uma reunião o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles, cotado para assumir o Ministério da Fazenda em um eventual governo do peemedebista. A previsão é de que a reunião começasse às 16h30 e conte também com a presença do presidente do PMDB, senador Romero Jucá, e do presidente do PSD, Gilberto Kassab, partido ao qual Meirelles é filiado.

Os manifestantes gritam palavras como “Michel Temer vai cair” e trazem cartazes com dizeres como “Temer golpista”, “Fora Temer” e “Traidor da Pátria”. O movimento, organizado pelo Levante Popular da Juventude, é o mesmo que tem realizado protestos contra outros políticos que votaram a favor do impeachment e que também havia se manifestado em frente à casa de Temer em São Paulo, no último dia 21. O protesto é pacífico e a segurança no Jaburu não foi reforçada em função do movimento.

Roberto Policarpo, ex-deputado federal e presidente do PT do Distrito Federal, participou do protesto e fez um breve discurso aos manifestantes, no qual afirmou que o partido não vai reconhecer o governo de Temer caso o “golpe” não seja barrado no Senado.

Segundo ele, se o impedimento de Dilma prosperar, o governo Temer será ilegítimo. “O Temer não vai governar este país com um dia sequer de sossego. Se o Senado não barrar o golpe, nós vamos parar ele nas ruas”. O político acrescentou que a luta contra o “golpe” também vai continuar no Supremo Tribunal Federal (STF).

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.