Publicado em 01/07/2022 às 06h50.

Jaques Wagner justifica voto favorável em PEC que prevê estado de emergência

Proposta recebeu 72 votos favoráveis e apenas um contra, do senador José Serra (PSDB)

Mattheus Miranda
Foto: Tiago Cruz/ bahia.ba
Foto: Tiago Cruz/ bahia.ba

 

Após o Senado Federal aprovar, quase que de forma unânime, em primeiro turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que estabelece um estado de emergência no país e viabiliza uma série de benefícios, o senador Jaques Wagner (PT) utilizou as redes sociais, na quinta-feira (30), para justificar o voto favorável.

“O PT votou a favor, mas trabalhamos para modificar pontos, como limitar o valor de caixa para que recursos não sejam usados com publicidade irregular. Estavam dando cheque em branco para o governo gastar de qualquer jeito. Sem dúvidas, é uma medida necessária, mas, evidentemente, com um formato atrapalhado. Como se o governo tivesse deixado o povo passar fome até agora e, de última hora, 90 dias antes das eleições, resolvesse criar um socorro”, disse.

Classificada pela oposição como uma “PEC eleitoreira”, uma vez que está sendo analisada a três meses da eleição, ela amplia até o final do ano o Auxílio Brasil, o vale-gás e viabiliza a criação de um voucher temporário de R$ 1 mil para caminhoneiros autônomos e um benefício para taxistas.

“Quem passa fome não pode esperar. Por isso, votamos a favor. O foco é socorrer famílias brasileiras que estão com dificuldade, consequência de uma política econômica desastrosa, que desemprega e levou o nível de renda dos brasileiros a um dos pontos mais baixos da última década. Isso já podia ter sido feito programaticamente há muito mais tempo. Mas quem tem fome tem pressa”, acrescentou Wagner.

A proposta recebeu 72 votos favoráveis e apenas um contra, do senador José Serra (PSDB). “Fui o único senador a votar contra a PEC 16, aprovada em conjunto com a PEC 1/22, apelidada de PEC Kamikaze. Por esse nome já sabemos que se trata de uma bomba fiscal. Essa PEC viola a Lei de Responsabilidade Fiscal e fura o teto de gastos”, disse o tucano.

Ainda de acordo com Serra, o pretexto foi defender quem mais precisa, mas isso “deveria ser feito de outra forma”. “Na verdade, o ‘pacote de bondades’ é eleitoreiro, só vai até dezembro de 2022 e compromete o futuro das contas públicas. Além disso, a perda de credibilidade fiscal vai estimular inflação, juros mais elevados e reduzir os investimentos necessários para a geração de emprego e renda, que é a mais importante política de combate à pobreza de que dispomos”.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.