Publicado em 02/12/2015 às 17h55.

Jequié: Vereadores acatam pedido de impeachment da prefeita

Segundo vice-prefeito da cidade, a atual gestora está sem apoio político e a população não aprova o atual governo

Hieros Vasconcelos

A prefeita de Jequié, Tânia Brito (PP), está em maus lençóis. Já não bastasse responder a processo judicial por improbidade administrativa, ajuizado pelo Ministério Público da Bahia, agora ela vai ter que enfrentar a possibilidade de ter seu mandato cassado e deixar o cargo. Nesta quarta (2), a Câmara de Vereadores do Município aprovou por unanimidade (19 vereadores) um pedido do processo de impeachment feito pelo eleitor Rafael Pereira dos Santos.

Em caso de saída da gestora, quem assume é o vice-prefeito Sérgio da Gameleira. Ao bahia.ba, ele reforçou que o pedido tem duração máxima de 60 dias e comentou que a situação política de Tânia é desastrosa. Segundo ele, a administração dela foi marcada por diversos protestos de populares, inclusive na área de educação, por atraso do ano letivo.

“A votação foi para acatar o pedido. Ainda será feita a investigação no decorrer desse prazo. Ela não tem mais força nenhuma, não tem apoio político,  está sem base e não tem apoio popular”, disse.

Ainda conforme o vice-prefeito, diversos desafios o esperam caso assuma a administração da cidade. “São tantos deságios. Quatro meses de débito com os funcionários terceirizados, os carros locados estão sem pagamento há seis meses, tanto na Saúde quanto na Educação. Há um débito monstruoso com os fornecedores da prefeitura. È necessária uma ampla reforma administrativa e enxugamento da máquina”, declarou.

Comissão – A Câmara instalou também uma Comissão Especial de Investigação (CEI) para apurar denúncias de irregularidades na gestão escolar contra a prefeita Tânia Brito (PP), que já responde a uma Ação Civil Pública ajuizada pelo Ministério Público da Bahia. Por unanimidade (19 votos), os vereadores votaram pela admissibilidade da CEI.

Com o resultado da votação, o presidente da Câmara, Eliezer Pereira Filho (PDT), procedeu o sorteio do colegiado, que será formado pelos vereadores Chico de Alfredo (PDT), Tinho (PV) e Beto de Lalá (PSB). Pela lei, qualquer cidadão maior de idade pode encaminhar ao Legislativo municipal o pedido de abertura de uma CEI.

Segundo o proponente, “devido à patente omissão e à negligência com a educação no município, prejudicada principalmente com o atraso do início do ano escolar e a falta de pagamento à empresa responsável pelo transporte dos alunos”. Em Jequié, Tânia Brito (PP) amarga um dos maiores índices de rejeição da atual safra de prefeitos, conforme apontou o bahia.Ba no Ponta a Ponta, mapa político da Bahia que avalia a pré-campanha eleitoral nos principais colégios eleitorais do estado.

 

PUBLICIDADE