Publicado em 28/01/2016 às 14h40.

Lava Jato: irmão de Dirceu opta pelo silêncio durante audiência

Luiz Eduardo de Oliveira e Silva responde por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Preso em agosto, ele abriu mão do direito de refutar as acusações

Agência Estado
Luiz Eduardo de Oliveira e Silva
Luiz Eduardo: “Excelência, eu prefiro ficar em silêncio, com todo respeito e atenção” (Foto: Arquivo/Folha)

 

 

O irmão do ex-ministro José Dirceu (Casa Civil/Governo Lula) ficou em silêncio durante audiência da Operação Lava Jato. Luiz Eduardo de Oliveira e Silva é acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ele foi preso em 3 de agosto durante a deflagração da Operação Pixuleco, 17ª fase da Lava Jato.

Luiz Eduardo não aparece nas imagens da audiência na Justiça Federal. Desde o início dos processos da Lava Jato, os depoimentos são gravados em vídeo e áudio. A defesa do réu pediu ao juiz Sérgio Moro que a câmera não focasse o rosto do irmão de Dirceu.

Na audiência desta quarta-feira (27) ele tinha a oportunidade para apresentar seus argumentos diante da acusação da Procuradoria da República. Mas escolheu outro caminho. “Excelência, eu prefiro ficar em silêncio, com todo respeito e atenção”, afirmou diante de Moro, que conduz as ações penais da Lava Jato na 1ª instância.

Luiz Eduardo foi questionado pelo magistrado se não responderia a nenhuma pergunta. “Não, excelência.”

Propinas – O irmão de Dirceu foi sócio do ex-ministro na JD Assessoria e Consultoria – empresa pela qual o petista teria recebido propinas do esquema de corrupção e propinas instalado na Petrobras entre 2004 e 2014.

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, parte das propinas acertadas pela Engevix Engenharia com a Diretoria de Serviços da Petrobras era destinada a Dirceu e ao empresário e lobista Fernando Antônio Guimarães Hourneaux de Moura, ligado ao PT, “por serem responsáveis pela indicação e manutenção de Renato Duque” no comando da unidade estratégica.

Segundo o Ministério Público Federal, as propinas foram repartidas entre dirigentes da Petrobrás, o PT, Dirceu, seu irmão e Moura entre 2005 e 2014.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.