Publicado em 26/09/2020 às 11h30.

Líderes costuram acordo para iniciar no Congresso debate sobre novo imposto

Parlamentares pediram ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que não interfira no debate

Redação
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

 

Líderes partidários costuram um acordo para dar início ao debate sobre a criação de um novo imposto, conforme proposto em uma das fases da reforma tributária. A “nova CPMF”, por se tratar de imposto sobre transações financeiras, é uma forma de compensar a desoneração da folha de pagamentos.

De acordo com informações de O Globo, os parlamentares pediram ao presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que não interfira no debate. O objetivo é que pelo menos o Executivo possa enviar a proposta ao Congresso para discussão.

Durante almoço na casa do deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara, foi avaliado que sempre que Maia ou o Congresso se manifestam contra o novo tributo, o debate é emperrado. Maia não comentou o caso, segundo a publicação.

Ainda de acordo com O Globo, a equipe econômica do governo ainda espera incluir a ideia do novo imposto na proposta de emenda á Constituição 45, de autoria dos deputados. Os parlamentares, no entanto, não querem assumir o ônus de criação da “nova CPMF”. Além disso, o governo também não quer a criação de um fundo para compensar estados e municípios por perdas de arrecadação previstas.

Auxiliares de Guedes afirmaram à publicação que a equipe econômica avalia uma espécie de “plano B”, que seria a defesa de uma reforma tributária mais enxuta, articulada por representantes das prefeituras e entidades do setor produtivo. A proposta, batizada de ‘Simplifica Já’, tem como principal característica exclusão de estados e municípios das mudanças.