Publicado em 24/11/2019 às 19h00.

Lula afirma que prisão o tornou ‘um ser humano melhor’

Declaração do líder petista foi feita no prefácio do livro livro "Lula e a espiritualidade: oração, meditação e militância"

Redação
Foto: Gibran Mendes/CUT Paraná
Foto: Gibran Mendes/CUT Paraná

 

Para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os 580 dias em que ficou encarcerado na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Curitiba fizeram dele um “ser humano melhor”.

A declaração do líder petista foi feita no prefácio do livro “Lula e a espiritualidade: oração, meditação e militância”, que reúne textos de 24 autores, incluindo o teólogo Leonardo Boff, a monja Coen, Frei Betto, a Iyalorixá Adriana de Nanã e o rabino Jayme Fucs Bar. A obra foi neste mês pela editora 247.

No texto que abre o livro, Lula conta que viveu sua vida inteira cercado de pessoas queridas, como familiares e amigos, e que a “distância deles” lhe afligiu muita dor. Ele afirma, porém, que a “solidão” a ele imposta fez dele “um ser humano melhor”.

“Não aprendi a odiar. Não odeio sequer meus algozes, que me trancaram numa cela porque tiveram medo que eu voltasse à Presidência para cuidar dos mais necessitados,achando que com isso teriam seus lucros reduzidos, e porque odeiam qualquer um que sonhe em dividir o pão”, escreveu.

PUBLICIDADE