Publicado em 13/05/2016 às 19h40.

Ministro da Justiça vai manter no cargo diretor-geral da PF

O ex-ministro Eugênio Aragão causou polêmica ao dizer que trocaria toda a equipe de investigação em caso de "cheiro de vazamento"

Agência Estado
BRASÍLIA / 08/09/2013 / NACIONAL / Brasília - Mistério da Justiça assina convênio com o Banco do Brasil para a renovação da Campanha do Desarmamento até o fim de 2012. Na foto, o diretor geral do Departamento de Polícia Federal, Leandro Daiello. Arquivo - 27/12/2011. Credito: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

 

O diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello, vai ser mantido no cargo pelo novo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes. A permanência de Daiello, que é um dos principais homens à frente da Operação Lava Jato, foi confirmada após uma reunião entre os dois, em Brasília, segundo apurou a reportagem.

No seu primeiro discurso enquanto presidente em exercício, Michel Temer afirmou que a Operação Lava Jato deve ser protegida “contra qualquer tentativa de enfraquecê-la”. “Tomo a liberdade de dizer que a Lava Jato tornou-se referência.”

O ex-ministro Eugênio Aragão, antecessor de Moraes, causou polêmica ao dizer, em entrevista à Folha de S. Paulo, que trocaria toda a equipe de investigação em caso de “cheiro de vazamento”. Porém, o novo ministro não tem planos de tirar Daiello do cargo. Ele está na PF desde 1995 e foi promovido a diretor-geral em 2010.

PUBLICIDADE