Publicado em 06/07/2017 às 11h14.

Neto admite encontro com Maia e fala em importância de ‘virar a página’

Prefeito de Salvador viajou a Brasília 24h após prisão de Geddel e diz que presidente da Câmara “não vai se pautar por rumores” sobre “trama” para derrubar Temer

Evilasio Junior
Foto: Luís Filipe Veloso/ bahia.ba
Foto: Luís Filipe Veloso/ bahia.ba

 

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), admitiu que um dos motivos da sua viagem a Brasília, na última terça-feira (4), 24 horas após a prisão do seu aliado e ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), foi um encontro com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Notícias de bastidores dão conta de que partidos aliados hoje do presidente Michel Temer (PMDB), como o PSDB e o DEM, pretendem desembarcar do governo, atingido por escândalos de corrupção. A oposição, inclusive o ex-governador baiano Jaques Wagner, afirma que o próprio gestor soteropolitano integra uma “trama” para derrubar o peemedebista do Palácio do Planalto.

“Encontrei [Maia]. Rodrigo, primeiro, é um homem muito decente, é um homem muito sereno, maduro, um político que vem demonstrando muita responsabilidade com o país e que não vai se pautar por rumores e nem por boatos. Eu conheço Rodrigo há muitos anos, sei que o foco dele é um só: ser presidente da Câmara dos Deputados e fazer a agenda da Câmara avançar”, disse Neto, em entrevista ao bahia.ba, nesta quinta-feira (6), durante a inauguração da Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes, no bairro de São Cristóvão.

O prefeito ainda se esquivou de comentar a tese defendida por governistas de que a prisão de pessoas próximas a Temer – como Geddel, Rodrigo da Rocha Loures e Lúcio Funaro – faz parte de uma articulação da Polícia Federal, do Ministério Público e do Judiciário para pegar o mandatário nacional.

“Olha, não me cabe fazer esse tipo de comentário. Só me cabe, como cidadão, torcer para que a crise possa ser superada o quanto antes. É muito importante para o Brasil que a gente possa virar essa página. Da mesma forma que é importante para o Brasil que tudo seja passado a limpo. Eu sou daqueles que vejo com otimismo o que está acontecendo, porque acho que vamos ter, depois disso, uma política melhor para o país. Agora, a população está sofrendo com a crise. Então, eu prefiro não reforçar o campo das especulações, até pelo meu papel de prefeito da cidade, e ficar concentrado naquilo que o homem público tem que fazer nesse momento, para ajudar o Brasil a superar a crise”, declarou.

Em caso de vacância da Presidência da República, o cargo seria assumido interinamente pelo presidente da Câmara, que convocaria eleição indireta em 30 dias. Maia é cotado como possível candidato em tal cenário.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.