Publicado em 19/04/2021 às 13h42.

O Brasil faz aniversário, e Eliana, prefeita da histórica Cachoeira, vive acuada pelo terror

"Tenho recebido recados para que eu renuncie. Mas quero deixar bem claro para o povo que Cachoeira não elegeu uma covarde"

Levi Vasconcelos
Foto: arquivo pessoal/redes sociais
Foto: arquivo pessoal/redes sociais

 

O Brasil completa quinta-feira 521 anos da chegada dos portugueses, e Cachoeira, joia do Brasil Colônia, que proclamou a independência antes mesmo de Dom Pedro I dar o grito do Ipiranga, vive um momento singular, um clima de amor e terror.

Na semana passada, a prefeita Eliana de Jesus disse numa entrevista à Rádio Paraguaçu FM:

— Tenho recebido recados para que eu renuncie. Mas quero deixar bem claro para o povo que Cachoeira não elegeu uma covarde.

O crime de Eliana: ter vencido a eleição, derrotando o prefeito Fernando da Silva Pereira, o Tato, homem rico, prefeito no terceiro mandato. Mais: ela, uma ex-feirante, negra, mulher, teve 10.448 votos, contra 7.913 de Tato. Foram exatos 2.535 de frente, uma paulada.

Assassinatos

Pior é que ela tem razões de sobra para suspeitar de que algo podre paira no ar. Assim que ganhou, as redes do mal bradaram: não senta na cadeira. Sentou. Mas de lá para cá, além das redes apregoando diabolices, Cachoeira viu dois aliados dela assassinados.

Ivan Passos, de Capueiruçu, lá atrás já com dois tios assassinados, foi morto a tiros. E Georlando Silva, candidato a vereador, adestrador de cães, foi morto a tiros e tombou na porta da delegacia,

O amor da história é que Cachoeira, onde os senhores de engenho escravizavam negros com pelourinhos e paus de arara, elegeu pela primeira vez um negro. E melhor, uma mulher. Se algo acontecer a ela, será uma vergonha nacional anunciada.

Três mulheres

Não é só Eliana de Jesus que faz a diferença em Cachoeira nos dias atuais. O município tem o top de sua representação hoje de mulheres. A vice também é mulher, Ana Cristina Pereira (PSB). E a deputada Fabíola Mansur (PSB) foi a mais votada lá em 2018, com 5.300 sufrágios, apoiando Eliana. Ela com a palavra:

— Temos ciência do problema, já relatamos às autoridades pedindo apuração rigorosa nas redes e nas ruas. O medo não nos vencerá.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.