Publicado em 14/11/2019 às 18h00.

OAS assina acordo de leniência e pagará R$ 1,9 bilhão em 28 anos

Atualmente em prisão domiciliar, o ex-executivo da empresa, Léo Pinheiro, teve seu depoimento utilizado para condenação do ex-presidente Lula no caso do tríplex do Guarujá

Redação
Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

 

Em acordo de leniência assinado nesta quinta-feira (14) com a Corregedoria-Geral da União (CGU) e a Advocacia-Geral da União (AGU), a OAS acertou o pagamento de R$ 1,9 bilhão em 28 anos, a partir de 2020, informa a colunista Mônica Bergamo, da Folha.

Nos primeiros quatro anos, serão desembolsados somente R$ 2 milhões anuais. Do quinto ao 10º ano, serão pagos R$ 15 milhões por ano. E a partir do 11º ano, serão R$ 100 milhões anuais.

De acordo com pessoas envolvidas nas tratativas do acordo, foi preservada a capacidade de pagamento da empreiteira.

A companhia foi investigada na Operação Lava Jato por pagamento de vantagens indevidas e superfaturamento em licitações públicas nos estados da Bahia, Ceará, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Atualmente em prisão domiciliar, o ex-executivo da empresa Léo Pinheiro teve seu depoimento utilizado para a condenação do ex-presidente Lula no caso do tríplex do Guarujá.

PUBLICIDADE