Publicado em 22/09/2022 às 18h50.

PGR quer arquivar pedido de investigação sobre suposta interferência de Bolsonaro na Petrobras

Após a análise das oitivas, o MP sustentou que não há elementos que justifiquem a abertura de uma investigação

Redação
 Foto Alan Santos / PR
Foto Alan Santos / PR

 

A Procuradoria-Geral da República (PGR) defendeu que o Supremo Tribunal Federal (STF) arquive um pedido de investigação sobre possível interferência do presidente Jair Bolsonaro na Petrobras.

Os ex-presidentes da Petrobras e do Banco do Brasil, Roberto Castello Branco e Rubem Novaes, respectivamente, foram ouvidos pela PGR após terem trocado mensagens em um grupo sobre uma possível conduta irregular de Bolsonaro. O conteúdo das conversas foi revelado pela imprensa.

A PGR se manifestou dessa maneira depois que, em depoimento, Castello Branco explicou que as mensagens se tratavam de uma “discussão acalorada” em uma “discussão de bar”. Ainda segundo o ex-presidente da Petrobras, os termos usados foram “inadequados”.

O Supremo foi acionado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para investigar o presidente Bolsonaro a partir dessa troca de mensagens entre os ex-presidentes.

Após a análise das oitivas, o MP sustentou que não há elementos que justifiquem a abertura de uma investigação, porque os dois interlocutores negaram expressamente a prática de algum ilícito por parte do presidente.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.