Publicado em 31/01/2020 às 20h31. Atualizado em 31/01/2020 às 21h50.

Previdência: sessão é suspensa após ‘ovada’ e invasão ao plenário

Presidente da Alba, o deputado Nelson Leal tentou manter a votação, mas os ânimos se exaltaram, e o Batalhão de Choque precisou intervir

Estela Marques / Rayllanna Lima
Foto: Estela Marques/bahia.ba
Foto: Estela Marques/bahia.ba

 

Manifestantes que acompanham na noite desta sexta-feira (31) a votação da PEC (Proposta de Emenda à Constituição do Estado) 159/2020, que prevê uma reforma no regime de Previdência, lançaram ovos nos deputados que compunham a mesa do plenário da Assembleia Legislativa (Alba). Um deles acertou o presidente da Casa, deputado Nelson Leal (PP).

Apesar de se irritar, o deputado decidiu manter a sessão. “Vossa excelência vai continuar”, disse ao deputado Hilton Coelho (Psol), que discursava na tribuna no momento do ocorrido. “Quem for meu amigo vai estar ao meu lado hoje”, afirmou Leal, que prometeu votar a matéria ainda nesta sexta, em dois turnos. “Vocês cometeram um erro”.

Os manifestantes que estavam na galeria, contudo, não se contiveram e continuaram os protestos, gritando ‘não à PEC’. Os ânimos se exaltaram quando policiais civis invadiram o plenário. Houve embate entre os civis e a Polícia Militar, que tentava conter o tumulto.

A sessão foi suspensa, e os civis fecharam a entrada do plenário. “Partido Traidor”, gritavam, fazendo relação com o Partido dos Trabalhadores.

Por volta das 20h55, todo o plenário estava tomado por servidores estaduais. Os deputados saíram, com exceção de Soldado Prisco (PSC) e Capitão Alden (PSL). Minutos depois, agentes do Batalhão da Polícia de Choque criaram uma barreira de proteção, em tentativa de conter os manifestantes.

Foto: Estela Marques/bahia.ba
Foto: Estela Marques/bahia.ba

 

Foto: Estela Marques/bahia.ba
Foto: Estela Marques/bahia.ba

Mais notícias