Publicado em 26/01/2016 às 17h00.

PT quer que candidatos se responsabilizem pela próprias campanhas

Em reunião nesta terça-feira, partido decidiu incluir cláusula de responsabilidade 'na carta compromisso' dos candidatos e evitar , se eximindo de envolvimento na captação de recursos

Folhapress
04/12/2015- São Paulo- SP- Brasil- Coletiva presidente PT, da esquerda para à direita: Marcio Macêdo, Ruy Falcão e Alberto Cantalice.
Falcão (centro) com membros da executiva nacional do PT (Foto: Paulo Pinto /Agência PT)

 

 

Com dois de seus tesoureiros presos sob suspeita de corrupção, o PT vai implementar, a partir das eleições de 2016, uma norma para que todos os seus candidatos se responsabilizem por suas contas de campanha. Dessa forma, o partido quer evitar ser responsabilizado por supostos deslizes.

Em reunião da executiva nacional do PT, nesta terça-feira (26) em Brasília, ficou definido que uma cláusula de responsabilidade será incluída “na carta compromisso” dos candidatos para que eles se responsabilizem pelas contas.

“Não é desconfiança de ninguém mas, como muitas vezes há um erro, um deslize, e não queremos que haja nenhuma responsabilização do partido”, afirmou o presidente do PT, Rui Falcão.

Segundo o dirigente petista, o partido pretende “fiscalizar bastante” para evitar que o financiamento empresarial continue.

Após a série de investigações que levou à prisão dois dos tesoureiros do PT – Delúbio Soares, pelo mensalão, e João Vaccari Neto, pelo esquema de corrupção na Petrobras -, o partido vetou o recebimento de doações empresariais e tem tido dificuldades de arrecadar recursos, inclusive, para pagar dívidas contraídas durante a campanha de 2014.

“As campanhas agora vão exigir muita criatividade, ampla participação da militância, da sociedade e dos movimentos sociais. Não haverá campanha nos moldes anteriores”, explica Falcão.

Ainda de acordo com o presidente do PT, será preciso insistir no debate da reforma política – e os candidatos da legenda levantarão, segundo ele, essa bandeira durante as eleições – para que haja mudanças no sistema eleitoral, principalmente sobre financiamento.

Economia – Mesmo após a troca de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no Ministério da Fazenda, medida defendida abertamente pelo PT e elogiada por Falcão nesta terça, o presidente do partido diz que ainda é preciso “abrir uma nova etapa na discussão da política econômica” do governo da presidente Dilma Rousseff.

“Nelson Barbosa deu perspectivas de mudança e houve medidas positivas na economia neste início de ano”, disse Falcão citando a elevação do salário mínimo e do piso da Previdência acima da inflação, além da mudança do indexador das dívidas de estados e municípios com a União.

Mas, segundo ele, é preciso adotar medidas de retomada do crescimento econômico “com ênfase na geração de emprego, investimentos em infraestrutura e combate à inflação”.

Falcão reconhece que dificilmente algumas dessas medidas sejam hoje aprovadas pelo Congresso e que, por isso, muitas vezes “nem adianta” pedir que o governo paute os temas no Legislativo.

“Mas temos que continuar empunhando essas bandeiras para que nada seja feito de baixo para cima”, declarou o presidente petista ao citar a reforma tributária, a revisão da tabela do Imposto de Renda, entre outras medidas que têm sido defendidas pelo partido.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.