Publicado em 25/11/2020 às 10h58.

Queiroz admite ‘rachadinha’, mas tenta livrar Flávio Bolsonaro de esquema

Ex-assessor alegou por escrito que tudo ocorreu sem consulta ou anuência do então deputado estadual

Redação
Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz (Foto: Reprodução/Instagram)
Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz (Foto: Reprodução/Instagram)

 

O ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, confessou a existência do esquema de “rachadinhas” no gabinete do filho do presidente Jair Bolsonaro, quando ele era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). No entanto, ele alegou que o senador não se envolveu com o crime na época.

De acordo com o portal IG, a confissão de Queiroz foi feita por escrito e consta em uma petição anexada ao processo que corre no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). “Tal acordo [rachadinha] teria sido realizado sem consulta ou anuência do então deputado estadual nem de seu Chefe de Gabinete”, alega o documento obtido pela CNN Brasil.

Ainda segundo a publicação, os promotores do caso não acreditam na alegação do ex-assessor, uma vez que as informações não coincidem com a evolução de patrimônio de Flávio Bolsonaro e da esposa Fernanda Antunes Bolsonaro.

No início do mês, uma ex-assessora de Flávio admitiu que era uma funcionária fantasma e que nunca trabalhou de fato na Alerj. Luiza Sousa Paes afirmou que recebia o salário, mas devolvia acima de 90% da quantia para Fabrício Queiroz. O salário de Luiza era de R$ 5 mil. Ela ficava com R$ 700 e devolvia o restante das quantias, incluindo vale-alimentação, 13º, férias e a restituição do Imposto de Renda.