Publicado em 15/12/2020 às 16h57.

Sem emenda, reeleição de Nelson Leal na Alba segue com impasse

Faltando duas semanas para o fim do ano, proposta que permitiria recondução não foi apresentada; PSD mantém nome

Adriano Villela
Foto: Paulo Mocofaya Agência Alba
Foto: Paulo Mocofaya Agência Alba

 

No final de novembro, líderes na Assembleia Legislativa afirmaram ao bahia.ba que o segundo turno da sucessão municipal em Feira de Santana e Vitória da Conquista e as sessões remotas atrasaram as conversas em torno da renovação da mesa diretora, agendada para fevereiro próximo. As eleições foram concluídas, mas as sessões virtuais continuam, o que atrapalha a possibilidade de o atual presidente, deputado Nelson Leal (PP),  disputelar a reeleição.

O pleito  demandaria uma mudança constitucional e acordo em toda a bancada governista. A duas semanas para o fim do ano, e com sete propostas do Executivo a serem votadas, a emenda que permitiria a recondução do presidente da Alba nem sequer foi encaminhada. E o PSD reivindica a presidência, por acordo de rodízio feito durante a eleição de Leal.

Líder do governo, o deputado Rosemberg Pinto (PT) disse ao bahia.ba que a disputa interna não afeta a bancada. O petista articula a votação de quatro projetos de lei do Executivo, além do PPA 2021-24, da LDO e da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2021. “Nelson Leal disse que é candidato?”, indagou Rosemberg, confirmando ainda não haver no momento emenda que mude as regras eleitorais. “A única coisa que eu sei é que a eleição está marcada para 1º de fevereiro. Ninguém me pediu voto ainda”.

No PSD, o presidente estadual da legenda, senador Otto Alencar, falou ao bahia.ba que não participa das tratativas sobre a sucessão na Alba – está em Brasília, onde o Congresso vota temas como a LDO do próximo ano -, mas deixou claro que o partido vai manter o nome de Adolfo Menezes.

“O candidato (à presidência do Legislativo estadual) do PSD sempre foi um só. O único candidato citado pelo governador Rui Costa”, reiterou. Menezes, por sua vez, relatou que não está acompanhando os debates em torno da sucessão da Mesa Diretora. “A eleição é em fevereiro.”

Logo após o primeiro turno das eleições, o correligionário do atual presidente, deputado Niltinho, afirmou que o desempenho nas eleições legitimaria a manutenção do PP no comando da Alba. Porém, há uma especulação de que, sem a possibilidade de reeleição, a legenda poderia lançar Fabrício Falcão (PCdoB). Em razão da sessão em andamento na Casa, não foi possível checar ainda esta possibilidade com nenhum dos dois parlamentares.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.