Publicado em 19/08/2022 às 07h42.

Youtuber que chamou Bolsonaro de ‘tchutchuca do centrão’ queria ser deputado

Wilker assinou a ficha de filiação ao União Brasil, no Distrito Federal, em 1º de abril deste ano

Redação
Foto: Reprodução, Youtube
Foto: Reprodução, Youtube

 

O youtuber Wilker Leão de Sá, envolvido numa confusão com o presidente Jair Bolsonaro (PL) nesta quinta-feira (18), queria ser candidato. Segundo o colunista Lauro Jardim, do Jornal O GLOBO, Wilker assinou a ficha de filiação ao União Brasil, no Distrito Federal, em 1º de abril deste ano, mas não levou o plano de ser deputado adiante.

Entre os direitos defendidos pelo youtuber, estão os dos militares, sobretudo cabos e soldados, classe à qual pertenceu por quase uma década.

Ao encontrar Bolsonaro, Wilker fez questionamentos justamente sobre as demandas das patentes mais baixas do Exército. Entre elas, o porte de arma e o direito à carteira de identidade militar.

Segundo Jardim, essas seriam as bandeiras de sua campanha, posteriormente frustrada, já que ele não consta entre os candidatos listados pela Justiça Eleitoral como postulantes a cargos em outubro.

Eduardo Bolsonaro defende o Presidente

Após o youtuber Wilker Leão chamar Bolsonaro de “tchutchuca do centrão” e “vagabundo”, na saída do Palácio da Alvorada, o deputado estadual e filho do atual presidente, Eduardo Bolsonaro (PL), foi às redes sociais para defender o pai.

“Desrespeitoso (o episódio) e o Presidente ainda pára para tentar conversar, mas quando a intenção da pessoa não é debater e sim lacrar, daí fica complicado. Ainda assim, qual outro presidente faz isso?”, indagou Eduardo.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.