Publicado em 11/11/2015 às 11h53.

Estudantes fazem campanha para participar de concurso na Suíça

Alunas da Ufba, Camila e Bruna pedem ajuda para viagem a Genebra, onde competição organizada pela ONU vai acontecer

Rebeca Bastos
Estudantes aguardam com ansiedade doações para a viagem. Foto Rebeca Bastos
Estudantes aguardam com ansiedade doações para a viagem. Foto Rebeca Bastos

Conseguir arrecadar fundos para representar o Brasil em um concurso internacional de direitos humanos é a meta número um das estudantes Camila Mazzafera e Bruna Matos, ambas de 23 anos.  As jovens são estudantes de direito da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e, junto com oito colegas que compõem o grupo de Direitos Humanos, Núcleo de Competições Internacionais da UFBA, inscreveram um projeto fictício de violação dos direitos humanos. No dia 02 de outubro receberam, com alegria, a confirmação de que o projeto está entre um dos 25 aprovados para participar da defesa oral junto aos jurados do concurso Nelson Mandela World Human Rights Competition.

A adrenalina de participar da primeira competição internacional começou a aumentar quando elas se deram conta dos altos custos de bancar a ideia em meio à crise financeira, alta do Dólar e do Euro. A viagem para participar da competição, que vai acontecer entre 07 e 10 de dezembro na cidade de Genebra, na Suíça,  terá um custo de R$ 12 mil, que será usado para garantir passagens, hospedagem e alimentação das duas estudantes e da treinadora, Adriana Mattos, que vai ajudá-las na condução da defesa.

“Estamos ansiosas pela competição, que será a nossa primeira defesa em outro país e em outro idioma, mas o que mais preocupa é a arrecadação do dinheiro, pois temos até o dia 05 de dezembro para coletar a quantia”, disse Camila. As estudantes contam ainda que a família e amigos do grupo também já garantiram uma ajuda de R$ 900,00 e a campanha pública conseguiu arrecadar mais R$ 800,00, somando R$ 1.700,00, bem distante da quantia necessária. As jovens, que já pensaram em desistir diante das dificuldades, agora preferem manter a esperança de virar esse jogo nos últimos minutos.

O concurso não prevê prêmios financeiros para os vencedores, mas as estudantes não desanimam e acreditam que só o fato de terem sido selecionadas para uma competição da ONU, na área de direitos humanos e em homenagem a Nelson Mandela, já é bastante recompensador, garante Bruna, que está procurando um jeito de direcionar sua carreira para a referida área.

Colaboração– A conta para ajudar as estudantes a representarem o Brasil na competição é do Banco do Brasil, AG. 3458-4, C/P. 23204-1, Variação: 51. Favorecido: Iasmin Teixeira Freire Carvalho.

PUBLICIDADE